“Faltou um pouquinho de garra”, diz Jorge Henrique, após derrota do Inter em Caxias

O último invicto do Campeonato Gaúcho 2015 caiu. No Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, o mistão do Inter não aguentou a pressão dos donos da casa, reforçados pelo uniforme laranja da sorte, e sucumbiu diante do Juventude. Para piorar, o gol sofrido foi originado por um pênalti bisonho, cometido pelo goleiro Muriel.

LEIA MAIS:
Inter joga mal e perde para o Juventude alaranjado em Caxias; Assista o gol

Na casa dos 30 do primeiro tempo, o goleiro recebeu uma bola recuada e, na tentativa de dominar com os pés e sair jogando, perdeu a redonda para o atacante adversário e, no desespero, derrubou o jogador do alviverde. O atacante Zulu se pronfiticou para a cobrança e, aos 32, mandou a bola para o fundo das redes Coloradas.

Jorge Henrique, um dos mais experientes em campo e participante do jogo contra o Emelec-EQU, na quarta-feira, creditou a derrota à falta de uma vontade maior do time de ganhar o jogo. “Não conseguimos fazer os gols. No erro da equipe, acabamos tomando o gol. Não entramos com o espírito dos outros jogos, de garra. Faltou um pouquinho”, disse o atacante, em entrevista após o jogo.

O garoto Rodrigo Dourado, no entanto, credita o resultado unicamente ao erro de Muriel. “Foi um jogo parelho, mas erramos. No erro individual, estragou a partida para nós”, declarou. “O time deles se fechou, ficou difícil penetrar. Numa falha, tomamos o gol. A gente lutou e não conseguiu reverter”, completou Alan Ruschel.

Com a derrota, o Inter caiu para a oitava posição do Gaúchão 2015, se tornando o pior time entre os que se classificariam para a fase de mata-mata, se a primeira fase acabasse hoje. O Juventude, por outro lado, pulou para a liderança da competição e não sabe o que é perder há seis jogos.

Os dois voltam a entrar em campo pelo Gaúchão na próxima quarta-feira (11). O Juventude visita a União Frederiquense, às 16 horas, no Vermelhão da Colina, e o Inter recebe o Aimoré, no Beira-Rio, às 19h30.

Foto: Getty Images



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...