“Eu peço para sair pela porta da frente se for o caso”, diz Valdívia sobre o Palmeiras

Twitter Oficial Valdívia
Twitter Oficial Valdívia

Valdívia quebrou o silêncio, mas, usou as redes sociais para desabafar. A situação do meia segue indefinida no Palmeiras e a dúvida causa mal estar no jogador. Em seu perfil no Twitter, Valdívia disparou contra o diretor de futebol Alexandre Mattos nesta terça-feira (10).

LEIA MAIS:
Há 25 anos o Palmeiras não tem um técnico com início tão bom quanto Oswaldo
Manifestação popular contra Dilma muda horário do jogo do Palmeiras

Frequentemente o atleta expões situações da vida pessoal e profissional na rede e inclusive já se envolveu em alguns “barracos” devido ao “livro aberto”.

A recuperação da lesão, salário, renovação com o clube e a imprensa foram alvos recentes. A bola da vez fica por conta da permanência no Verdão. O vínculo vai até o dia 17 de agosto e as negociações ainda não avançaram.

Muito criticado por não atuar em boa parte das partidas disputadas pelo Palmeiras, ou mesmo não permanecer em campo os 90 minutos, o atleta deixa no ar que não aceitaria um contrato por produtividade. Ainda segundo ele, esse teria sido um dos motivos que levaram o time para um quase 3º rebaixamento no ano passado.

Segundo informações do globoesporte.com, o pai de de Valdívia tinha uma reunião marcada no clube ontem (segunda-feira 9). Ele compareceu, porém, não foi recebido pela diretoria, já que Mattos foi receber uma premiação na ABEX. Um novo encontro ficou marcado para hoje.

Irritado com alguns boatos, o meia fez questão de ressaltar que não defenderia outro clube no Brasil: “tenho caráter sim e cumpro o que eu digo. Não poderia jogar em outra equipe aqui no Brasil e assim será. Só uso as cores do Palmeiras aqui”.

Grato ao Palmeiras, Valdívia pede que caso tenha que deixar o Palestra, seja pela porta da frente: “mesmo indo embora no final do meu contrato serei sempre agradecido pelo o que o clube representa ainda na minha carreira, mas não é um adeus”.

Por fim, rebate alguns “corneteiros”, segundo ele: “não esqueçam os cornetas que no final do ano passado tomei duas infiltrações para poder jogar, não gosto de boleirar e falar aquilo que fiz ou não, mas é bom sempre lembrar que por causa disso ainda estou sem poder jogar”, aponta.

Sobre o salário, ele pede para que a imprensa se decida: ” já passei a ganhar 400 brutos, 500 netos, 600 netos e até 700″, finaliza.

Créditos: Twitter Oficial Valdívia



Curiosa por natureza e jornalista de formação. Sou autora do livro Palmeiras - O Brasil de coração italiano. Escrever sempre foi um hobby e vender por meio da mensagem tornou-se profissão. Formada desde 2012, hoje me especializo em Comunicação de Marketing em Mídias Digitais.