Dória critica Bielsa e diz que era reserva até de lateral-esquerdo improvisado

Divulgação

O zagueiro Dória hoje defende as cores do São Paulo. Mas seu passe pertence ao Olympique de Marselha, da França, e ao fim de seu contrato, em agosto, o zagueiro terá de voltar para lá. No entanto, se depender das impressões que o jogador carrega em sua primeira passagem pelo clube, principalmente do treinador argentino Marcelo Bielsa, ele não vai querer vestir a camisa da equipe celeste tão cedo.

LEIA MAIS:
Acertado com o Grêmio, Maicon se despede dos colegas do São Paulo
Souza diz que ganhar clássico de domingo é obrigação do São Paulo

Em entrevista para a ESPN Brasil, na noite de quinta-feira (5), Dória fez revelações impactantes sobre sua vivência com Bielsa e até do modo como o treinador se dirigia a ouros profissionais do clube, revelando um lado ligeiramente sombrio da personalidade do comandante, cujo apelido no meio esportivo, inclusive, é “Loco-Bielsa”.

“Eu não preciso chamá-lo de louco. Eu não sou obrigado a concordar com algumas atitudes dele, mas ele tem alguns jeitos que podem levá-lo a esse apelido. Eu o vi maltratar bastante os auxiliares dele em questões bobas. Por exemplo, pedir uma caneta para o auxiliar. O auxiliar não tinha caneta na hora, ia pegar, mas ele jogava o cara lá embaixo. É até bizarro”, contou Dória.

Preterido pelo técnico desde que chegou ao Olympique de Marselha, principalmente, segundo o que se veiculou na imprensa, por não ter sido uma contratação indicada por Bielsa, Dória conta que chegou até a ser reserva de um lateral-esquerdo improvisado, só para não ter chances de mostrar o seu valor.

“Eu tive que aceitar a opção do treinador, mas eu me sentia muito preparado para ocupar a posição. O jogador que ocupava a posição era um lateral-esquerdo, até baixo. Ele fazia boas atuações, mas nos treinamentos eu me sentia melhor, mas não tive a oportunidade de poder mostrar. Eu jogava no time B, era diferente, o nível do futebol era inferior”, disse.

Revelado pelo Botafogo, Dória foi uma das maiores sensações do futebol brasileiro em 2013, ano em que o Fogão chegou até a brigar pelo título do Brasileirão. No meio do ano seguinte, depois de disputar a Libertadores pelo alvinegro, Dória foi negociado com o Olympique de Marselha. Na equipe francesa não fez um jogo sequer, nos cerca de cinco meses em que ficou lá.

Emprestado ao São Paulo, Dória, de apenas 20 anos, vem sendo titular absoluto da equipe de Muricy Ramalho desde que foi regularizado e pôde jogar. Nas quatro partidas em que entrou em campo, a equipe sofreu apenas dois gols.

Foto: Divulgação / São Paulo FC



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...