Clube formador de Diego Costa ganha sobrevida “por sua causa”; entenda

Ao se transferir para do Atlético de Madrid para o Chelsea, Diego Costa jamais imaginaria que daria uma sobrevida ao time que ajudou a formar o seu futebol. Dos R$ 123 milhões empregados pelo clube inglês em sua contratação, cerca de R$300 mil vão para os cofres do Barcelona Esportivo da Capela, clube de Capela do Socorro, em São Paulo.

LEIA MAIS
Liverpool anuncia jogo de despedida de Gerrard com Torres, Xabi Alonso e Suarez

O clube estava há seis anos sem disputar competições profissionais devido às dívidas e ao alto custo, que não permitia uma montagem de elenco. Com tal valor, o time consegue se manter durante seis meses, de acordo com o fundador, presidente e dono do clube, Paulo Sérgio Moura.

“Tudo depende muito do trabalho que você quer fazer. Hoje, para você fazer um trabalho intermediário, gasta brincando R$ 50 mil por mês. Nesta divisão que nós estamos, vamos dizer que esse dinheiro dá para seis meses “, afirmou Paulo Sérgio ao UOL Esportes.

A FPF (Federação Paulista de Futebol) ajuda os times de tal patamar com apenas R$ 30 mil a cada ano. Valor este que não mantém o clube durante toda a temporada. Por isso, o clube atualmente busca patrocínios que possam manter o time competitivo: “Tem que trabalhar com os pés no chão. Estamos fechando dois patrocínios, não é um valor exorbitante, mas nos qualifica viajar um dia antes dos jogos com alimentação e tudo”, disse o presidente.

Incentivo

Paulo Sérgio disse que a presença de Diego Costa no hall de jogadores formados pelo Barcelona acaba sendo um ‘incentivo’ às crianças:

” É inevitável associar o Diego ao Barcelona, não tem como não explorar esta ideia. Antes da Copa do Mundo, dei várias entrevistas para televisões estrangeiras e as crianças foram ao delírio. Então isso serve como uma motivação para essa criançada. Agora, se der para usar o nome dele para alguma coisa rentável, vai ser uma maravilha. Só que as pessoas tem que dar o primeiro passo pelo coração. Eu não tenho autorização por escrito para usar o nome dele, mas tenho a verbal. Ele cansou de falar: ‘Olha, comecei no Barcelona’. Fala de mim, do professor Jabá, que o descobriu “, conclui o presidente barcelonense.

A escolinha do clube não revelou apenas o centroavante hispano-brasileiro. Entre os jogadores que passaram pelo clube estão Pará (lateral do Flamengo), Renato Abreu (meia que jogou no Flamengo e no Corinthians) e Ralf (volante do Corinthians).

Foto: Getty Images



Lucas Nunes é um jornalista carioca apaixonado por esportes. Apesar de trabalhar em outros ramos da comunicação atualmente, planeja trilhar carreira no jornalismo esportivo, já que ama, em suma, o futebol, o automobilismo e o MMA.