Vice do São Paulo afirma que Morumbi não encheria no clássico nem com os portões abertos

O baixo público presente no Morumbi para acompanhar o clássico contra o Corinthians, válido pela oitava rodada do Campeonato Paulista 2015, era tão esperado pela diretoria são paulina, que o vice-presidente de futebol, Ataíde Gil Guerreiro, afirmou durante participação na Mesa Redonda, da TV Gazeta, que nem se o ingresso fosse gratuito o Morumbi teria a lotação máxima.

LEIA MAIS:
Diretoria aumenta os preços, compra briga com a torcida e esvazia o Morumbi
Corinthians x São Paulo garante a maior audiência para Globo em jogos dominicais no ano

“Vi um desabafo de um jogador (o volante Souza), dizendo que a torcida reclama, reclama, reclama e que, quando é preciso, o torcedor não vem. E é verdade. Tenho certeza absoluta de que nem se a gente deixasse os portões abertos encheria o Morumbi”, afirmou Ataíde.

“Virou especialidade do Corinthians estádio vazio. Jogou no meio de semana em estádio vazio e agora também. A gente queria levar o jogo para Cuiabá ou outro lugar. Em São Paulo, a gente sabia que não ia ultrapassar os 20 mil”, continuou reclamando o mandatário, ironizando inclusive o fato de o Corinthians ter jogado contra o San Lorenzo-ARG, no meio de semana, com portões fechados.

O público total do Majestoso ficou em cerca de 18 mil torcedores, 27% da capacidade do Morumbi, de aproximadamente 65 mil pessoas. Aspectos que explicam a baixa procura, no entanto, não foram mencionados pelo dirigente, como o preço do ingresso, elevado demais para um campeonato de pouca importância como o Paulistão, e a dificuldade em comprar as entradas, devido à mudança na empresa que gerencia a comercialização delas, feita com a temporada em andamento e ainda não plenamente realizada.

No jogo contra o Danubio-URU, pela Libertadores, os dois problemas foram também determinantes para o baixo público presente na partida (pouco mais de 16 mil), bem como a chuva, que naquela quarta-feira castigou a capital paulista – cenário encontrado também neste domingo (8).

Foto: Reprodução



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...