Pescarmona processa Nobre e Palmeiras por problema no tênis; entenda

Palmeiras
Reprodução/Chapa Branca

Rival de Paulo Nobre na última eleição presidencial, Wlademir Pescarmona entrou com um processo contra Paulo Nobre e o Palmeiras na última semana. O motivo da ação é a construção de três quadra de tênis. O conselheiro exige na Justiça que Nobre execute as obras nos próximos três meses.

LEIA MAIS:
Oswaldo de Oliveira adia estreias de Arouca e Valdivia e defende meia de curtir o Carnaval

O processo está na 2ª Vara do Juizado Especial Cível, nas mãos da juiza Manoela Assef da Silva, que não deu nenhuma decisão sobre o caso até o momento.

O imbróglio começou em 2011, quando a reforma do antigo Palestra Itália se iniciou. Para a construção da nova Arena, o clube deve que desocupar a área das quadras que até então eram usadas pelos sócios. O projeto inicial da Wtorre, constava a reposição deste espaço, o que até o momento, não aconteceu.

Na ação de Pescarmona, consta que o presidente Paulo Nobre avisou que de fato as três quadra não seriam construídas. Informou também que por decisão da diretoria, o departamento de tênis não terá as três quadras no prédio esportivo.

Na ação, Pescarmona ainda chama a atual gestão de irresponsável com os obrigações e exige a construção imediata das três quadras.

“Infelizmente a atual gestão está se revelando absolutamente irresponsável com o trato das suas obrigações, já merecendo as reprimendas legais, e o Autor não tem outra alternativa senão a de socorrer-se do Judiciário para fazer valer os seus direitos mais elementares”, afirma Wlademir Pescarmona, em seu processo.

“Ante o exposto, requer-se a citação dos réus para que respondam aos termos da presente ação de obrigação de fazer, julgando a ação procedente com a obrigação de fazer consistente no cumprimento da obrigação contratual para a execução de 3 (três) quadras de tênis no edifício poli esportivo, concedendo-lhe um prazo razoável de 3 (três) meses, sob pena do artigo 287 do Código de Processo Civil, condenando-os, solidariamente ao pagamento das perdas e danos e danos morais decorrentes da omissão”, completa.

Crédito da foto: Reprodução/Chapa Branca



Estudante de Jornalismo da Universidade Anhembi Morumbi. Apaixonado por futebol e fã do Bayern de Munique. E um admirador do bom jornalismo.