Opinião: Público contra o Danubio-URU nunca mais pode se repetir na Libertadores

A partida do São Paulo contra o Danubio-URU, nesta quarta-feira (25), no Morumbi, foi uma vergonha. Não me lembro de, na Libertadores, algo tão sem sal, feio, largado. Parecia um jogo sem importância do Estadual, ou algo que o valha. Inadmissível lutar tanto para chegar à competição preferida do torcedor e promover aquilo. Sim, me refiro ao público presente no estádio.

LEIA MAIS:
Rogério Ceni diz que time do São Paulo precisa de mais alma na Libertadores
Opinião: Pato tem que jogar contra o Corinhians. O São Paulo que se vire

Segundo dados oficiais divulgados pelo clube, estiveram presentes no Morumbi apenas 16.689 pagantes, para uma renda de pouco mais de R$ 1 milhão – o que menos importa neste momento. Foi um dos piores públicos da história do São Paulo na competição. Em uma estreia em casa, então, nem se fala.

Pode-se argumentar que a chuva que castigou a cidade é uma das grandes responsáveis pelo fiasco, já que a região onde se localiza o Morumbi é de difícil acesso e que, o trânsito caótico que já existe ali diariamente, ficou ainda pior. Pode-se falar também do preço alto do ingresso (algo que a principal Torcida Organizada está reclamando nas redes sociais) e criticar a atitude da diretoria de, com isso, “forçar” os interessados em ir ao jogo a virar sócios do clube e ganhar descontos.

Pode-se falar um milhão de coisas: mas ninguém vai ouvir. Ou não deveria. Por um motivo simples: a grande culpada pelo que aconteceu nas arquibancadas do Morumbi é a falta de planejamento de Aidar e seus correligionários, que tiveram a “grande ideia” de trocar a gestora que comercializa os ingressos para os jogos no meio da temporada, ignorando completamente o processo de transição, ligeiramente complexo, que isto acarreta.

Desde o jogo contra o Audax Osasco, pelo Paulistão, no sábado (21), as vendas de ingressos haviam apresentado problemas. Ninguém resolveu. Não duvido que tenham tentado, mas esse tipo de coisa nem deveria estar em pauta. Principalmente se o São Paulo anseia tanto ter um número de sócios-torcedores condizentes com o tamanho de sua torcida e a grandeza de sua instituição.

16 mil pagantes em um jogo de Libertadores é vergonhoso e não pode acontecer nunca mais. Não com quem levantou esse troféu três vezes e se enxerga como o Soberano. Afinal, o futebol do time já não tem ajudado a levar o torcedor ao estádio. Se os poucos que querem ir, não conseguem, por motivos banais, fica difícil. E o rabo-preso com a TV só aumenta…

Foto: Divulgação / São Paulo FC



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...