Opinião: Orlando mostra superioridade em amistoso contra o New York City

Em amistoso válido pela Carolina Challenge Cup 2015, na Carolina do Sul, Orlando City e New York City se enfrentaram pela primeira vez na história das equipes. O amistoso, porém, pouco apresentou o que as equipes ainda mostrarão no decorrer da temporada da Major League Soccer, mas vale uma ressalva: Orlando City mostrou mais entrosamento e Kaká saiu na frente no duelo individual com David Villa.

LEIA MAIS:
Ronaldo Fenômeno voltará a treinar nos próximos dias
Mercado da bola: Ibson é mais um brasileiro a fechar com clube dos Estados Unidos

O clima de amistoso durou pouco no último sábado (21), quando Orlando City e New York City se enfrentaram pela primeira vez na história. Apesar de ambas as equipes só voltarem a se encontram dentro de 15 dias para a estréia da MLS Cup, o clima de rivalidade entre os clubes estreantes, para iniciar a temporada, já está estabelecido. As equipes protagonizaram um jogo duro e marcado por muitas faltas, principalmente no primeiro tempo. No duelo individual entre Kaká e David Villa, o brasileiro levou a melhor. Foi mais participativo no jogo, arriscou tabelas com os companheiros para chegar ao gol e abriu o placar com bonito chute de fora da área. Villa, por outra lado, deu indícios de que daria trabalho à defesa do Orlando acertando uma bola no travessão aos 10 minutos de jogo, mas perdeu gol e por muitas vezes se posicionou atrás da linha dos zagueiros, deixando de ser a melhor opção para os meias do New York que buscaram muito o jogo lateral.

Nada do que aconteceu na partida, deve ser levado seriamente em consideração. Apesar da rivalidade já instalada, era nítido que ninguém queria se desgastar antes do início da temporada. Consequentemente, alguns erros de passe, lances perdidos e a falta de entrosamento por parte de alguns jogadores, evidenciavam que a partida era apenas um amistoso. O New York, por exemplo, sequer entrou com todos os seus titulares em campo. Dikerud ficou de fora e Lampard só se juntará ao elenco em junho. O Orlando City, apesar das caras novas, naturalmente teria um entrosamento maior já que muitos jogadores estavam juntos na temporada passada quando o clube ainda fazia parte da USL Pro.

A expectativa era ver como as equipes seriam escaladas, principalmente o Orlando City, que ensaiou formações diferentes nos últimos amistoso mas parece ter definido Okugo como primeiro voltante e não na zaga, como se imaginava. Kaká terá liberdade no meio e funcionará como um segundo atacante, caindo para os lados e buscando jogadas com os laterais ou de velocidade na diagonal que o fizeram famoso nos tempos de Milan. Durante o jogo, o craque brasileiro pareceu estar mais confortável do lado esquerdo do campo trocando passes com o lateral da Seleção Americana, Brek Shea. Ramos se destacou pelo lado direito do ataque dos Lions e promete ser um dos principais nomes da equipe durante a temporada. Bryan Rochez, o mais jovem Jogador Designado da MLS, mostrou potencial enquanto esteve em campo.

Do lado dos Citizens, Grabavoy, um dos grandes nomes do New York para a temporada, participou das principais trocas de passes da equipes e até voltava para perto dos zagueiros para ajudar na saída de bola. Shelton, autor do gol de empate, e Jacobson, agradaram. Josh Williams terá de mostrar mais serviço durante a temporada e conquistar a confiança do treinador antes que a chegada de Lampard signifique menos um lugar entre os jogadores que brigam por uma vaga no time titular.

Apesar de não render o esperado, Villa levou perigo por duas vezes ao gol do experiente Ricketts e deu o passe para o gol de Shelton, mas claramente saiu de campo frustado por não ter deixado sua marca. Kaká, por sua vez, saiu ovacionado pelo empolgado grupo de torcedores que viajaram para acompanhar a equipe e que já prometem fazer frente ao Seattle Sounders como torcida mais fiel e barulhenta da MLS.

Expectativas a parte, era apenas um amistoso. O entrosamento do Orlando ficou claro na troca de passes para o gol de Kaká, mas mesmo assim ainda não é o ideal para uma equipe que almeja chegar aos playoffs. O meio de campo do New York é sólido, muito promissor e aparentemente será um dos melhores da competição assim que um esquema de jogo ficar definido e os jogadores se entrosarem. A superioridade do Orlando também se reflete muito na figura do brasileiro que mostrou ser o motor da equipe.

Pelo menos nas primeiras partidas das novas franquias, com certeza ainda veremos erros similares ao do amistoso de sábado. Nada que não seja o natural em equipes que estejam iniciando um novo trabalho. A MLS é famosa por sua regularidade e pelo equilíbrio entre os clubes e nem Orlando, nem New York, decepcionarão nesse quesito. Os famosos clássicos entre as grandes equipes serão marcados por clubes já tradicionais, como o LA Galaxy e o NE Revolution, querendo manter seu posto entre os grandes e não perder para os estreantes. Mas entre os caçulas, o clima quente, para definir quem será o melhor entre os dois, irá tomar conta dos encontros já no dia 8 de março, quando os dois se encontram pela primeira rodada da MLS Cup 2015.

Crédito da foto: Divulgação



Jornalista Esportivo formado pelo Mackenzie e pela UCLA com passagem pela Rádio Bandeirantes, fundador do perfil Arquivo do Futebol (@futebolarquivo) e jornalista do MLS Brasil. Escreve para o Torcedores.com desde 2014. Twitter: @paulogcanova