Muricy admite que São Paulo precisa evoluir muito se quiser ir longe na Libertadores

Muricy Ramalho - São Paulo
Crédito da foto: Getty Images/Arquivo

Nem mesmo um dos grandes responsáveis pela atuação fraquíssima do São Paulo na noite desta quarta-feira (18) engoliu o que se viu no gramado da Arena Corinthians, na primeira rodada da fase de grupos da Libertadores. Em coletiva de imprensa logo após a partida, Muricy Ramalho criticou com veemência a postura da equipe e disse que o time precisa melhorar muito se quiser ir além na competição continental.

LEIA MAIS:
Opinião: Majestoso de um time só: o Corinthians!
Ganso reclama de juiz na estreia da Libertadores: “Palhaçada”

O técnico admitiu que o time produziu muito pouco e que a atuação seria inadmissível mesmo se não fosse contra um rival, em jogo de Libertadores. “Faltou muita pegada. Hoje a gente deixou muito a desejar, em todos os sentidos. Não dá para você não fazer o time adversário trabalhar”, declarou.

Apesar das declarações fortes, o treinador demonstrou um tom sereno em sua fala, evidenciando que, a despeito da frustração de perder o jogo, não há outro discurso a não ser reconhecer que o Corinthians foi muito superior. Inclusive, o técnico pontuou que não foi o primeiro grande desafio no ano em que a equipe se sai muito mal.

“Não somos pessimistas, é fato: não estamos bem. No único teste nosso antes desse (Santos), também não fomos bem. O time jogou muito pouco. Conversamos que temos produzido muito pouco”, revelou Muricy aos jornalistas.

Muito lento em campo e presa fácil para a marcação alvinegra, Muricy considera que o grande problema da equipe, não apenas nesta partida, tem sido a falta de opções para jogadas em profundidade, explorando a linha de fundo do gramado, em velocidade.

“O time acreditou muito na técnica, na posse de bola, mas faltou profundidade. Temos que fazer o adversário sofrer um pouco em profundidade, esse é o grande problema que nós temos. Criar, criamos muito, mas o que está faltando é penetração. A gente tem um lado bom, que é a técnica, mas só isso hoje em dia não dá, as defesas são muito fortes”, explicou.

Para resolver o problema, o São Paulo conta com Centurión, que não pôde jogar contra o Corinthians por estar suspenso pela Conmebol, e Jonathan Cafu, que estava no banco de reservas, mas não foi utilizado. Ademílson, outro que poderia ser útil para sanar esta dificuldade da equipe, não chegou sequer a ser relacionado para o jogo, assim como o garoto Ewandro, que foi titular na já citada partida contra o Santos, mas depois não teve mais chances.

O São Paulo agora junta os cacos e se foca novamente no Campeonato Paulista. No sábado, às 19h30, no Morumbi, a equipe recebe o Audax Osasco, pela sexta rodada da competição. Ainda invicto na disputa, o Tricolor fará o primeiro jogo do ano em sua casa, que estava passando por reformas no gramado.

Foto: Getty Images



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...