Marcação frouxa no meio e mudança no estilo de jogo explicam derrota do Atlético-MG

Divulgação/Atlético-MG

O Atlético vive momento conturbado dentro de campo e correndo risco de não classificar para a fase final da Libertadores. Na quarta-feira, o time de Levir Culpi sofreu derrota para o Atlas, por 1 a 0, no Independência. Dois fatores ajudam explicar o segundo insucesso atleticano na competição.

O principal motivo foi a mudança no estilo de jogo do Atlético, em relação aos grandes momentos vividos pelo time no ano passado, principalmente na Copa do Brasil, quando conquistou o título. Diante do Atlas, o alvinegro mineiro pouco jogou pelo lado de campo, explorando Luan e Maicosuel.

O mapa de calor do confronto, apresentado pela Conmebol, mostra que o Atlético procurou o jogo centralizado no meio de campo, principalmente com Dátolo na armação e depois, no segundo tempo, com a entrada de Cárdenas.

Sem seus dois laterais titulares e jogando com Patric, pressionado pela torcida e Lucas Cândido, que voltou a atuar depois de ficar um ano se recuperando de lesão no joelho, o Atlético deixou o setor mais forte do seu time de lado, atuando com ênfase no meio de campo, onde conviveu com forte marcação do Atlas.

Outro fator de destaque negativo para o Atlético, de acordo com os números, foi a atuação do seu trio de armação. Fator decisivo em 2014, a marcação do trio, Dátolo, Maicosuel e Luan, mais uma vez deixou a desejar, como havia acontecido na derrota para o Colo-Colo.

O sistema defensivo atleticano contou com pouca ajuda dos meias no combate. O trio de armação recuperou no meio de campo, ou na defesa, apenas três bolas, curiosamente uma com Dátolo, outra com Luan e a terceira com Maicosuel.

A derrota atleticana marcou o excesso de erros do Atlético. O alvinegro mineiro teve apenas 72% de acerto de passes, tendo errado 73 vezes. A finalização também deixou a desejar. O Galo deu o dobro de disparos do rival, 10 contra 5, mas mesmo assim não conseguiu balançar as redes, mas seis dos chutes foram para fora.



Jornalista, foi repórter do UOL Esporte por sete anos, nos últimos quatro, como setorista do Atlético-MG. Cobriu também Cruzeiro, vôlei, UFC, natação. Formado pela Newton Paiva, é colaborador em Belo Horizonte do Torcedores.com