Fernando Prass revela que jogou no sacrifício no fim de 2014: “Tomava remédios escondido”

Prass

Um dos jogadores mais respeitados pela torcida palmeirense, o goleiro Fernando Prass viveu momentos complicados em 2014. Em boa parte do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras frequentou a parte de baixo da tabela. Não bastasse isso, o arqueiro ainda ficou cinco meses afastado dos gramados após uma fratura sofrida no cotovelo direito em jogo contra o Flamengo, em maio, no Maracanã. Ansioso em tirar a equipe do sufoco, Prass revelou em entrevista ao programa Bola da Vez, da ESPN, que voltou à ativa no sacrifício.

LEIA MAIS:
Ex-Palmeiras, Asprilla lança marca de camisinhas com apelo ousado
Pai de Valdívia afirma que Palmeiras tem concorrente brasileiro pelo chileno

“Tomava remédio escondido. Associava anti-inflamatório e analgésico. Chegou uma época em que tive que tomar dose dupla de analgésico porque não aguentava a dor. Até o final do ano, qualquer caída no chão sentia muita dor. Tomei infiltração até depois do jogo contra o Atlético-PR (o que livrou o time do rebaixamento à série B do Campeonato Brasileiro)”, disse.

Questionado sobre a sua condição física na atual temporada, Prass, hoje com 36 anos, confirmou que se sente melhor. “Sempre sinto dor, mas nem perto do ano passado. É difícil um jogador jogar sem dor. Isto faz parte da profissão”, completou.

Durante o programa, o camisa 1 relembrou quando foi atingido por uma xícara disparada por um torcedor organizado no Aeroporto de Buenos Aires. O fanático tentava agredir Valdivia, o vilão de derrota para o Tigre na fase de grupos da Copa Libertadores de 2013.

“Tinha dois meses de clube. Estava sentado logo em frente do Duty Free (loja de variedades). Torcedores me cumprimentaram e perguntaram sobre Valdivia. Estavam exaltados. Aí começou a confusão. Tentamos fazer um cordão de isolamento para protegê-lo. Quando o pessoal percebeu que não conseguiria chegar no Valdivia, começaram a arremessar coisas. Quando olhei para o lado, percebi que havia sido atingido na cabeça por uma xícara de porcelana branca. Levei  um corte na orelha. A camisa ficou cheia de sangue. Fui prontamente atendido pelo Dr. Rubens (médico). Foi uma situação muito complicada”, explicou.

O contrato de Prass com o Verdão se encerra no final deste ano.  Ele confirmou que ainda não houve conversas para a renovação do vínculo e planeja continuar nos gramados até os 40 anos. “Depende do clube (a renovação). A minha vontade é ficar. Acho que vou continuar atuando até aos 40 anos. Quero colocar o meu nome na história do Palmeiras. Provavelmente será a última equipe da minha carreira”, disse o arqueiro que também passou por Grêmio, Francana-SP, Vila Nova-GO, Coritiba, União de Leiria-POR e Vasco da Gama.

crédito foto: Getty Images

 



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)