Falta de profundidade do São Paulo é crítica; Atuação de laterais ajuda a explicá-la

Quando o técnico do São Paulo, Muricy Ramalho, fala a todo o momento que o problema do time é a falta de profundidade, ou seja, não faz jogadas que exploram a linha de fundo do gramado, ele tem razão.

LEIA MAIS:
Opinião: Muricy é teimoso e vai morrer com as suas convicções. Infelizmente
São Paulo x Audax: Confira os gols de Pato e Michel Bastos na goleada Tricolor

De acordo com o site Footstats.net, a equipe Tricolor, nas seis primeiras rodadas do Campeonato Paulista, fez apenas 17 cruzamentos certos, a despeito de 2.802 passes certos, uma diferença de mais de 16.000%. Inclusive, este dado ajuda a explicar o modo como o time fez os gols no campeonato até agora: das 18 vezes em que balançou as redes, 15 foram oriundas de finalizações de dentro da área. É o time que mais fez gols assim no Paulistão – apenas um deles foi de cabeça.

Outro dado que mostra a gravidade do problema que o São Paulo enfrenta, de não conseguir profundidade no campo de ataque, é o número de lançamentos: foram, até aqui, 90 lançamentos certos, e 104 errados, uma proporção quase igual, e, assim como o quesito cruzamentos, consideravelmente menor que a de passes.

O jogo contra o Audax Osasco, foi o que o time menos cruzou bolas na área, de todos os que fez no Paulistão. Foram apenas oito tentativas, sendo apenas uma correta e sete erradas. Os lançamentos também foram escassos: apenas 27, sendo 12 certos e 15 errados, números preocupantes, já que a partida foi a primeira depois do fiasco contra o Corinthians, na Libertadores, na qual a equipe saiu muito criticada por não conseguir produzir nada além dos passes burocráticos, com pouca objetividade.

A explicação principal para o problema talvez seja a atuação dos laterais Reinaldo e Bruno. Diante do Audax, o lateral-esquerdo concentrou sua presença no meio campo, raramente indo ao campo de ataque. Bruno, o lateral-direito, apareceu no ataque mais vezes do que seu companheiro, mas o mapa de calor indica que boa parte de seu jogo foi feita no meio campo, servindo, simultaneamente, como um suporte para os meias, ao levar a bola até eles, e aos volantes, ao ajudá-los a neutralizar as jogadas do adversário.

Foto: Divulgação / São Paulo FC



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...