Opinião: Entre frio e calor, a Copa de 2022 segue no Qatar

Copa

Sim, haverá Copa do Mundo no Qatar em 2022. E mais, o evento não será realizado no verão e sim entre os meses de novembro e dezembro. Novidades? Nenhuma. Só mesmo um desavisado qualquer acreditaria na possibilidade de uma Copa ser realizada no calor infernal de até 55 graus.

LEIA MAIS
Copa do Qatar em 2022 pode ter final no dia 23 de dezembro

Em 2010, quando o Qatar ganhou o direito de ser a sede da Copa do Mundo em 2022, eu já havia queimado uma vez minha mão na porta do carro que havia estacionado no descoberto ao lado do escritório. Loucura? Não, histórias de quem já passou um verão no Qatar.

Desde o fatídico 02 de dezembro de 2010, o então desconhecido Qatar, virou alvo de críticas e acusações. Hábitos culturais, suborno, corrupção, regime de escravidão moderno e morte de trabalhadores aqueceram o debate sobre o direito do país em sediar o evento.

Mas o que iria realmente esquentar jornalistas, torcedores, jogadores, etc. seria a realização da Copa no verão do deserto. Para quem tem o mínimo de vivência no Qatar, sabe que é “quase” impossível viver fora do ar-condicionado, exposto ao sol.

“E os prometidos estádios climatizados?”, você perguntaria. Bem, isso resolveria em parte o problema. A grande questão sempre foi o público e o seu deslocamento pelas cidades. Até projeto de nuvens artificiais já fazia parte do imaginário popular. Quanta inocência…

A melhor e lógica solução sempre foi mudar o evento para o inverno do Qatar. Assim, quando a Força Tarefa da Fifa anuncia a proposta de sediar o evento entre novembro e dezembro, não é nenhuma novidade. Somente uma oficialização do que “todos” nós já prevíamos.

Podemos dizer que o anuncio foi um banho de água fria nos que querem ver a Copa longe do Golfo. Terão o Qatar e a Fifa mais sombra e água fresca com relação a 2022? Não, ainda falta muita lenha para queimar nós próximos sete anos.



Luis Henrique Rolim usa do sarcasmo e da linguagem popular para comer as pizzas do esporte. Futebol, surfe e Jogos Olímpicos são seus sabores favoritos. Ama os gordurosos assuntos extra-campo, e por isso tem colesterol acima da média. Debate ideias, não pessoas.