Prefeito do Rio diz que “odeia” ter construído campo de golfe para os Jogos de 2016

Apesar de toda a campanha que a cidade do Rio de Janeiro fez para conquistar o direito de sediar as Olimpíadas de 2016, bem como a festa que se seguiu ao anúncio da escolha da cidade, nem todo mundo envolvido nesta história está feliz com os desdobramentos dela. O prefeito do Rio, Eduardo Paes, é um dos que reprovam alguns detalhes da organização do evento.

LEIA MAIS:
Opinião: Olimpíadas ano que vem, alguém lembra?
Veja quem pode destruir o sonho do ouro do vôlei feminino no Rio-2016 

O mandatário criticou com veemência duas exigências do COI, na tarde desta terça-feira (24), após reunião com membros da instituição em um hotel em Copacabana. Paes disse que, se dependesse dele, jamais teria feito o campo de golfe, que está em fase de acabamento, e que não imagina a cidade usando o espaço, ao fim dos jogos, para incentivar a prática da modalidade entre as crianças, prerrogativa usada inicialmente para legitimar a construção da estrutura.

“Eu odeio ter de ter feito este campo de golfe. Por mim, não teria feito este campo de golfe nunca. Mas, infelizmente, todos os pareceres diziam que nem o Gávea Golf, nem o Intanhangá serviam. Procuramos os dois clubes, não tinha jeito. Por isso fiz a parceria privada. Se tivesse de botar dinheiro de IPTU ou ISS ali, não botava. Nunca”, enfatizou Eduardo Paes.

Na visão do prefeito, após o fim dos jogos, o único modo de utilizar o campo será no viés do turismo. Segundo ele, há uma grande demanda de jogadores de golfe amadores que percorrem o mundo em busca de praticar o esporte em campos variados, além de ele ser um esporte caro, difícil de fazer com que se crie novos adeptos entre os jovens.

“Agora, tem de botar na balança. É muito do cac… a Olimpíada para a cidade. (Mas) tem de fazer o campo de golfe”, explicou, contrariado. “No campo de golfe, vamos lá colocar as crianças para aprender golfe. Mas é esporte de rico, fazer o quê?”, disse Paes, esclarecendo porque pretende tornar o campo de golfe apenas um espaço de turismo no futuro.

De acordo com Eduardo Paes, o ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, é um dos mais interessados em usar o campo de golfe construído para as Olimpíadas depois do fim dos jogos. Paes disse que Bloomberg o telefona com frequência, perguntando do andamento das obras, e que a atitude exemplifica o tipo de público que tenderá a se interessar pelo espaço quando as competições oficiais terminarem.

O golfe entrou para o rol dos esportes considerados olímpicos recentemente e fará sua estreia em Olimpíadas em 2016. Os EUA são projetados como os favoritos pela medalha de ouro.

Foto: Divulgação / Rio 2016



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...