Cinco motivos explicam início conturbado do Atlético-MG em 2015

Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

O início do ano tem sido bem diferente do pensado pela torcida do Atlético. O time mineiro acumula três derrotas seguidas e já se vê em situação bem difícil na Libertadores. Cinco motivos ajudam a explicar a queda de rendimento do time para 2015 e pressionam o técnico Levir Culpi.

2015 tem começado de maneira difícil para o Atlético. O time não venceu ainda na Libertadores, pior, foi derrotado duas vezes e ainda não emplacou no Campeonato Mineiro. Jogadores importantes em 2014 caíram de rendimento no novo ano e ajudam a aumentar o “buraco” que o técnico Levir Culpi está.

1- Excesso de lesões e perda de pilares

Um dos motivos que justifica a queda de rendimento do Atlético em 2015 é o excesso de lesões que o clube convive já no primeiro mês de jogos. Sete jogadores estão contundidos e ausentes dos jogos. Entre eles, pilares fundamentais do esquema de Levir Culpi, Marcos Rocha e Douglas Santos, os laterais titulares e que sustentam o esquema tático do treinador, Guilherme, homem de criação e aposta para suprir a ausência de Diego Tardelli e Lucas Pratto, principal reforço  da diretoria, que teve início promissor, mas se recupera de lesão muscular.

2- Preparo físico aquém do esperado

Um dos fatores de destaque do Atlético de 2013 e que conquistou a Copa do Brasil de 2014 e embalou o Brasil, era o preparo físico do time. O Galo precisou reverter na base da vontade e da correria jogos difíceis e sempre levou a melhor em relação aos rivais no físico. Em 2015, neste começo, isso não acontece. Os atletas não mostram força física e diante do Colo-Colo e Atlas, terminou as partidas se arrastando em campo. Neste sentido, entra a troca de preparador físico, Carlinhos Neves deixou a equipe no final do ano passado. Rodolfo Mehl assumiu em seu lugar e já vem sofrendo pressão.

3- Falta de substituto para Diego Tardelli

O Atlético perdeu poucos jogadores da temporada de 2014 para 2015. Porém, um dos nomes que deixou o clube foi do ídolo Diego Tardelli. Um dos diferenciais do time da temporada passada, se transferiu para o Shandong Luneng da China em janeiro. A diretoria exitou em buscar um reforço, mas anunciou a contratação do colombiano Sherman Cárdenas. Porém, o atleta apresenta característica bem diferente do ex-camisa nove, intensidade de jogo menor e ainda busca adaptação ao novo clube e aos companheiros. Cárdenas foi titular em apenas um jogo e ainda não teve grandes atuações

4- Queda de rendimento de jogadores importantes

Em 2014, principalmente na reta final do Brasileirão e na campanha vitoriosa do Atlético na Copa do Brasil, alguns jogadores se destacaram e se tornaram peças fundamentais. Porém, em 2015, estes jogadores sofrem com queda de rendimento e não repetem atuações passadas. Dátolo, que se destacou por fazer funções diferentes, tem atuado bem abaixo tecnicamente nestes primeiros jogos. Luan começou o ano animado e fazendo gols, mas na Libertadores, não teve uma atuação boa. Pior, o velocista modificou a sua forma de jogar, perdendo a intensidade. Carlos, aposta e revelação de 2014, o atacante perdeu espaço e virou reserva no novo ano, parecendo não ter mais a mesma confiança de Levir Culpi

5- Erro de planejamento na montagem do elenco

Uma das principais notícias de bastidores do Atlético em 2015 foi a reintegração do trio de indisciplinados, Emerson Conceição, André e Jô, que terminaram 2014 afastados do elenco por problema extracampo. Levir Culpi e a diretoria optaram em perdoar os atletas, que fizeram toda a pré-temporada com o grupo. Mais do que isso, os atletas, por necessidade, passaram a ganhar oportunidades. Os centroavantes foram inscritos na Libertadores e jogaram contra Colo-Colo e Atlas. A decisão, porém, foi controversa e não agradou a todos no clube



Jornalista, foi repórter do UOL Esporte por sete anos, nos últimos quatro, como setorista do Atlético-MG. Cobriu também Cruzeiro, vôlei, UFC, natação. Formado pela Newton Paiva, é colaborador em Belo Horizonte do Torcedores.com