Opinião: Jefferson caminha para ser o maior goleiro da história do Botafogo

Botafogo

Perguntar a um torcedor do Botafogo qual o lugar de Jefferson na história do clube é, certamente, colocá-lo entre os grandes jogadores da história do Glorioso. Contudo, exatamente em que posição entre esses nomes lendários o atual arqueiro da seleção brasileira está posicionado? A resposta, no entanto, não tem importância, já que para quem não viu Manga atuar, Jefferson é o maior goleiro da história do Botafogo.

LEIA MAIS:

Jefferson renova com o Botafogo até 2017

CBF modifica regras da Copa do Brasil; veja o que mudou

A idolatria, em alguns casos, não precisa estar necessariamente ligada ao talento, mas, no caso de Jefferson, esse quesito não lhe falta. Desde que retornou para o Botafogo em 2009, o arqueiro é considerado um dos melhores do Brasil na posição, saltando para o primeiro lugar desde 2013. Isso também não é uma condição necessária e tão pouco suficiente para alguém se tornar um ídolo. Ídolos não são feitos da noite para o dia, mas sim construídos ao longo de um período de muito trabalho e de identificação com a camisa que estão defendendo. Garrincha e Nilton Santos são exemplos maiores do que é ser ídolo no Botafogo, assim como, mais recentemente, também aconteceu com Túlio Maravilha.

Jefferson já era um ídolo e se tornou mais quando optou ficar no Botafogo em um dos piores momentos da sua história. Propostas não faltaram para ele sair e certamente não faltarão ao longo desse processo pela reconstrução do Glorioso. Não será fácil fazer com que o Botafogo volte ao seu lugar de direito dentro da elite do futebol brasileiro, mas Jefferson certamente será uma peça-chave para isso.

Sem querer comparar, o fato é que se Manga atuou 9 anos com a camisa do Botafogo e ganhou quase tudo que disputou entre os anos de 1959 a 1969. Jefferson tem bem menos tempo e também menor número de títulos, porém, seu amor pelo Glorioso foi demonstrado com a fidelidade ao decidir permanecer em General Severiano. A questão financeira, sem dúvidas lhe agradou, como também deve ter lhe satisfeito as propostas de outras equipes, contudo, ele escolheu ficar e caminhar, sobretudo para geração que não viu Manga jogar, para ser o maior goleiro da história do Botafogo.