Nunes dá a receita para brilhar no Flamengo: “Não é fácil ser ídolo de uma nação”

João Batista Nunes de Oliveira é um dos maiores atacantes do futebol brasileiro e, certamente, para a torcida do Flamengo, é o autor de dois dos três gols mais importantes da história do clube. Por tudo que fez dentro de campo, vestindo o manto sagrado, é impossível ouvir falar de Nunes e não lembrar dos motivos que levaram este ídolo a ser chamado de o Artilheiro das Decisões.

LEIA MAIS:
Mercado da bola: Flamengo prepara proposta por Robinho
Programa de TV “tenta convencer” Hernane Brocador a jogar no Brasil

Em uma oportunidade única, o Torcedores.com pode entrevistar um dos maiores jogadores da história do Flamengo. Ídolo na Gávea, Nunes fez parte do lendário time rubro-negro na década de 1980 que, simplesmente, ganhou tudo o que disputou. Se muitos flamenguistas costumam dividir a história do time em Antes de Zico e Depois de Zico, certamente devem esse fato aos gols que esse artilheiro nato marcou, como os dois diante do Liverpool na final do Mundial de Clubes de 1981.

Alçado ao posto de ídolo rubro-negro, Nunes acredita que isso se deva ao que fez dentro de campo, porém, se engana quem acha que essa é uma tarefa simples. Com a autoridade de quem é um dos jogadores mais amados pela maior torcida do Brasil, Nunes explicou o que um jogador tem que fazer para ser ídolo no Flamengo:

“Em primeiro lugar ele tem que ter uma base dentro do Flamengo. Tem que conhecer o clube, a torcida e precisa ser disciplinado para ser um grande profissional. Ele tem que passar pelas categorias de base para adquirir formação, aprender a gostar do clube, se fortalecer internamente e render dentro do campo. Não é fácil ser ídolo de uma nação e a pessoa tem que ter essa consciência de trabalhar muito. Se tornar um ídolo não é de uma hora para a outra e eu, o Zico e outros grandes jogadores passamos por isso, afinal de contas craque o Flamengo faz em casa”, explicou Nunes.

Nos tempos atuais, porém, o Flamengo costuma importar os jogadores que se tornam adorados por sua torcida. Foi assim com Petkovic, Felipe, Ronaldo Angelim e Leonardo Moura, por exemplo. Para esses jogadores que não são formados na Gávea, Nunes também deu uma dica de como se tornar um ídolo: “Tem que chegar com os pés no chão, buscar conhecer o clube, se identificar com ele”.

nunesgabriel-300x199A fama, no entanto, não fez de Nunes uma pessoa que esqueceria os mais humildes. Até se tornar um grande jogador de futebol profissional, é bom lembrar, o Artilheiro das Decisões teve que dar muito duro e também contou com o apoio de pessoas importantes que viram potencial nele e lhe deram uma oportunidade. Hoje, Nunes tenta fazer o mesmo por meio de projetos sociais:

“Tenho uma parceria em Duque de Caxias com o Grupo Família Para Sempre, que conheci através do ex-prefeito Zito, meu amigo e por quem tenho um grande respeito. Conheci o Beto Gabriel, que é com quem eu percorro a cidade para encontrar locais que precisem de auxílio. Tenho um projeto meu para lançar junto com o Governo em breve, que é uma forma de ajudar as pessoas, pelo esporte, a mudar de vida”, disse Nunes .

É comum alguns jogadores salientarem a importância de vencer uma Copa do Mundo e, de fato, isso é de grande importância na carreira de qualquer atleta. Para Nunes, no entanto, o fato de não ter vencido a principal competições entre seleções no mundo não faz muito diferença: “Só não joguei Copa do Mudo porque me machuquei, mas eu fui campeão do mundo pelo Flamengo e isso já diz tudo”, concluiu João Batista Nunes de Oliveira.