Injustiça portuguesa – Federação elege Cristiano Ronaldo como maior jogador português de todos os tempos

Genuínos ou tendenciosos?

Daqui a pouco, até mesmo Pelé, será vítima de uma federação sensacionalista!

Mais uma vez a mídia mostra sua força, gerando pensamentos duvidosos.

Numa Copa do Mundo recheada de craques, como Garrincha, Bobby Charlton, Franz Beckenbauer e Pelé, notava-se um gênio português chamado Eusébio – que não precisou jogar em Manchester e nem Madrid, para ser craque- “engolia” a bola e os adversários.

Em 1966 vestindo a camisola, como diz os portugueses, das quinas, foi um dos protagonistas do Campeonato do Mundo jogado na Inglaterra. Com uma prestação fenomenal, Eusébio foi artilheiro e uma das principais armas portuguesas para uma das melhores campanhas internacionais de sempre. Terminando no honrado e digno terceiro lugar.

LEIA MAIS
Cristiano Ronaldo já supera Eusébio como o maior de Portugal?
Cristiano Ronaldo supera Neymar e Messi no Ranking IFFHS; veja lista

Sei que o Ronaldo – genérico, pois o autêntico é brasileiro – tem um talento indiscutível, admirável, e é dono de marcas incríveis com seus clubes defendidos.

Mas quem contribuiu mais pra seleção portuguesa? Será que só é levado em conta, o critério individual? É uma questão para ser revisada.

Será que Cristiano Ronaldo, em três copas do mundo (2006, 2010 e 2014), teve a proeza de fazer mais por Portugal, e levar tão longe, como Eusébio levou em 1966?

Obs.: Portugal terminou o mundial de 2006 na Alemanha, em quarto lugar. Tendo como protagonistas: Luís Figo, Maniche (autor do gol contra a Holanda, na famosa “Batalha de Nuremberg”) e o goleiro Ricardo. Cristiano foi mero coadjuvante.

O “Pantera Negra” (como era chamado Eusébio) marcou nove gols no único mundial que disputou. Enquanto Cristiano contabiliza somente três, um em cada mundial.



Um rapaz apaixonado por futebol, e um mero aderente ao meio futebolístico. Gosta de opinar e fazer diversos balanços, sobre os jogos e principalmente, sobre o Clube de Regatas do Flamengo. Em contrapartida, não foge da Imparcialidade e do equilíbrio nas argumentações.