Bernard reconhece “desespero” com reserva no Shakhtar e revela saudade do Atlético-MG

Créditos: Getty Images

O meia-atacante Bernard se transferiu em agosto de 2013 para o Shakhtar Donetsk. Porém, o seu começo no clube ucraniano não foi o esperado. O jovem atleta ficou na reserva e conviveu com problema de adaptação e insatisfação do seu treinador. Ainda sem viver seu bom momento, o meia reconhece que sente saudade do Atlético-MG.


LEIA MAIS
Amistoso que Atlético-MG faria contra Estudiantes-ARG é adiado
Sonho de consumo de Inter e Palmeiras, Réver vê futuro incerto: “feliz pelo interesse”

Bernard não esconde a insatisfação pelo difícil início no Shakhtar. “Eu queria jogar, a minha alegria é jogar futebol. Seja na rua, com meus amigos, ou em qualquer clube, eu quero jogar futebol”, disse o jogador em entrevista à TV Globo.

“Então bate o desespero, sim. A vontade de, às vezes, querer voltar, de querer ir para outro clube. Mas eu vi que o clube tinha uma estrutura, um projeto para mim, e foi aí que eu comecei a deixar isso de lado, passei a fazer meu trabalho e acabou que as oportunidades foram aparecendo mais”, observou Bernard.

O brasileiro viveu momentos difíceis de adaptação no time ucraniano. A chegada foi em época difícil, quando o país vivia crise política. Em campo, Bernard não teve boas atuações, ficou grande parte da temporada no banco de reservas e ainda contou com cobranças públicas do seu treinador.

Melhor adaptado na ucrânia, Bernard não esconde o carinho pelo Atlético e a saudade do clube mineiro. “É impossível não lembrar do Atlético. Seja na Ucrânia ou aqui, eu sempre lembro. É um clube que vai sempre ficar marcado na memória, por tudo que fez por mim, e por ter me ajudado a mostrar meu trabalho para o mundo inteiro”, afirmou.



Jornalista, foi repórter do UOL Esporte por sete anos, nos últimos quatro, como setorista do Atlético-MG. Cobriu também Cruzeiro, vôlei, UFC, natação. Formado pela Newton Paiva, é colaborador em Belo Horizonte do Torcedores.com