Abel Braga culpa Cristovão Borges pelo afastamento do filho, mas Renato Gaúcho é o responsável

Em entrevista concedida ao O Globo, o ex-treinador de Fluminense e Internacional, Abel Braga, disse estar chateado com o atual técnico do Tricolor Carioca, Cristovão Borges, pelo afastamento do elenco de Fábio Braga, contudo, quem tomou a decisão de afastar o seu filho na verdade foi Renato Gaúcho.

LEIA MAIS:
Pesquisa aponta Corinthians como o melhor time do Brasil nos últimos 7 anos; veja o ranking
Opinião: Nenhum time do Brasil merece pagar o salário de Fred

Desempregado desde que deixou o Internacional no final do ano passado, Abel deu uma longa entrevista ao periódico carioca e revelou sua mágoa com Cristóvão Borges:

“O Cristóvão Borges… (pausa) eu tenho uma ressalva. Nem em relação apenas a ele, mas ao Fluminense. O Fábio ter sido colocado para treinar separado, eu não entendo. Nunca fiz isso com jogador nenhum e fiquei muito, mas muito magoado. Criou uma mágoa que até hoje não consigo esquecer. Não entendo, juro. O Fábio jogou com Luxemburgo, teria chance, se Dorival Júnior continuasse, e também com o Renato Gaúcho. Chegou o Cristóvão e isso aconteceu. E olha que me dou bem com o Cristóvão, mas isso foi uma grande decepção”, disse Abel.

Contudo, apesar do fato de seu filho não ter terminado a temporada passada no Fluminense, já que em agosto ele foi emprestado ao América-RN, Abel Braga se enganou ao culpar Cristovão pela decisão. Em entrevista concedida ao site Netflu, Ricardo Tenório, então vice de futebol na época, confirmou que a decisão foi tomada pelo antecessor de Cristovão no Fluminense: Renato Gaúcho:

“Foi na época do Renato Gaúcho que aconteceu o afastamento do Fábio dos treinos com o elenco. Naquele momento, alguns jogadores não faziam parte do interesse do treinador. Tanto que alguns foram emprestados, outros desceram para Xerém e uns permaneceram. Entre os que não interessavam, estava o Fábio Braga. Mas ele sempre foi um grande profissional, nunca nos deu problema. Há um equívoco aí do Abel Braga quanto ao Cristóvão. O Abel, aliás, ligou e pediu para esperar e deixá-lo treinando lá no Fluminense até que achasse um clube para o volante. Foi uma cortesia, a pedido do próprio. Ele nunca foi afastado, mas não fazia parte da pretensão do treinador. Essa mágoa não procede”, esclareceu Tenório, em contato com o site.