Opinião: vexame do Inter garante mais um ano de seca no Brasileirão

Inter

Há derrotas e derrotas. Derrotas previsíveis como diante do Cruzeiro no Mineirão, compreensíveis como a sofrida para o São Paulo no Beira Rio, inaceitáveis como sofrer a virada, também em casa, para o Figueirense depois de abrir 2 a 0.

Há também as vexatórias, históricas, inexplicáveis. O Inter, vice-líder do campeonato até a rodada passada, conseguiu a proeza de ir a Chapecó e levar um 5 a 0.

Chama atenção a extrema passividade da defesa colorada nos gols da Chapecoense. Não teve como não lembrar dos 7 a 1 de três meses atrás. O Inter foi pisado, amassado. Que noite para os torcedores alviverdes na Arena Condá! Curiosamente, ontem foi a reestreia de Nilmar. Caso as lesões não apareçam com frequência, certamente será importante para a equipe. Mas como desgarrar o nome de Nilmar às contusões? É esperar para ver. O time precisará dele, já. Abel Braga disse que o que aconteceu ontem foi inexplicável, que agora é preciso jogar pela dignidade, pediu paciência à torcida… Ou seja, o óbvio, as declarações de sempre quando se leva uma tamancada dessa. Em nenhum momento veio um pedido de desculpa ao torcedor. Ele merecia no mínimo receber uma satisfação. Conclusão: o Internacional abriu mão das Copas do Brasil e Sul-Americana e ratifica seu 36º ano consecutivo sem vencer o Brasileiro, considerando, obviamente, uma arrancada para o título como algo totalmente utópico. Agora terá de lutar, mais uma vez, apenas por uma vaga na Libertadores, disputa na qual o Grêmio pede passagem e mostra consistência. E no segundo turno o Gre-nal será na casa tricolor. A turbulência será grande, colorados.



Estudante de jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie e alucinado por futebol.