Saiba como a briga política tem atrapalhado o Vasco

O Vasco da Gama vive afundado em uma das piores crises políticas da sua história. A confusão começou a ganhar forma no ano passado e foi um dos fatores responsáveis pelo rebaixamento da equipe no Campeonato Brasileiro. Este ano, porém, com a proximidade das eleições, o caos ficou ainda maior e já prejudicou o Vasco de várias maneiras.

Leia mais: Vasco empata com o Bragantino e mostra como será o restante da Série B

Recentemente, a Nike, fornecedora de material esportivo, recuou as negociações com o clube quando vislumbrou a possibilidade de Eurico Miranda retornar à presidência. Juninho Pernambucano, ídolo que se aposentou dos gramados no início deste ano, também não conseguiu fazer a merecida despedida por culpa do imbróglio político.

No entanto, o Vasco tem perdido mais do que contratos com empresas ou mesmo jogos festivos: afundado em brigas internas, o clube tem ficado mais fraco perante os seus adversários e, mesmo na Série B, não consegue se preparar para regressar à elite como a grandeza que pertence a sua história.

A instabilidade também afeta o comando técnico da equipe, além do planejamento para a próxima temporada. Dependendo de quem vença o pleito marcado para novembro, alguns profissionais podem não continuar no clube e isso os impede de preparar os projetos para 2015. Esse é o caso, principalmente, de Rodrigo Caetano.

A cada dia que passa a imagem da instituição Vasco da Gama é dilapidada e isso não se deve apenas ao retorno de um determinado candidato. A história do Vasco não deveria permitir que a disputa pelo poder a manchasse, mas, para a infelicidade de sua imensa torcida, não é isso que se tem visto. O Gigante da Colina está sendo apequenado por aqueles que dizem querer devolvê-lo ao seu lugar de direito.