Pressão do Palmeiras gerou ‘retorno vermelho’ a Barcos e Kléber

Felipão
Crédito da foto: Getty Images

O Palmeiras é o calvário para os atacantes que deixaram o clube pelas portas dos fundos. E o Grêmio, de Kléber e Hernán Barcos, é a equipe que mais sofre diante desse cenário.

LEIA MAIS:
Jornalista afirma que só um tsunami tira Cavalieri do Palmeiras
Se o seu time fosse uma marca de cerveja, qual seria?
Saiba quais são os 10 clubes brasileiros mais populares no Twitter

No último sábado, o argentino recebeu o segundo amarelo após o árbitro assinalar falta em Cristaldo. Há pouco mais de dois anos, no dia 21 de agosto de 2012, Kléber também recebeu o vermelho ao atingir o zagueiro Henrique no rosto. Os dois, que tantas alegrias deram aos torcedores alviverdes, foram para o chuveiro mais cedo.

De quebra, a dupla gerou levou os torcedores do Verdão ao júbilo, enquanto os gremistas se irritavam.

Nas duas oportunidades, o Grêmio se mostrou abalado psicologicamente. Também na derrota para o São Paulo, em sua Arena, tal problema foi diagnosticado, culminando na perda emocional e o descontrole em jogadas simples.

O clima no Pacaembu, dos palmeirenses, parece descontrolar os seus ex-jogadores. Barcos e Kléber foram muito hostilizados a cada toque na bola. Com isso, o time entra no clima e comete muitas faltas. Caso fica nítido pois, na metade do primeiro tempo, Felipão teve de tirar Fellipe Bastos para não ver a equipe com um a menos.

Aliás, outras semelhanças saltam aos olhos: nas duas oportunidades, Grêmio briga(va) pela liderança, enquanto o Palmeiras sofre(ia) para se ver livre do rebaixamento. O árbitro, Sandro Meira Ricci, que fez uma boa Copa do Mundo 2014, comandou os dois jogos. A análise da qualidade da atuação do juiz, nos casos, é polêmica. Deixe a sua opinião no comentário. 

Kléber e Barcos têm estilos de jogo em que o contato é natural. Exageros, por sua vez, devem ser combatidos. O caldeirão do Pacaembu não é fácil de ser suportado e, aparentemente, os gremistas sofrem diante da pressão palmeirense.



Aficionado por futebol, escreve sobre o Grêmio "para o que der e vier". Não tece comentários bebendo vinho, mas sempre coloca o Mundial no caminho. Trarei a visão não-regionalizada do Imortal. Curta, compartilhe e comente.