Opinião: Visão da CBF em relação à arbitragem é uma piada nacional

Mais uma rodada do Campeonato Brasileiro se encerrou e novamente a discussão em torno da arbitragem toma conta do cenário nacional. Com marcações duvidosas e a já famosa polêmica da bola na mão, os homens de preto estão na boca do povo.

LEIA MAIS:

Relembre os maiores erros de arbitragem do Brasileirão

CBF convoca reunião para explicar polêmicas da arbitragem

Na partida entre Botafogo e Corinthians, por exemplo, o gol do Alvinegro Carioca foi marcado após uma penalidade assinalada por uma jogada de bola na mão. No dia seguinte, no Maracanã, o Cruzeiro não viu o mesmo critério em jogada de Cárceres.

Com aproximadamente 10% dos jogos sendo decididos por influência direta do apito, a recente declaração do o presidente da comissão de arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa, soa como piada. Para ele, “somos bons em todas as áreas. Temos os melhores jogadores, melhores jornalistas, e os melhores árbitros do mundo”.

A piada com o torcedor nacional fica ainda mais difícil de engolir quando os árbitros, incomodados com as duras críticas que veem recebendo, também se manifestam exigindo maior respeito. Não custa lembrar que a Associação Nacional dos Árbitros (Anaf) ameaçou entrar em greve se a CBF e o Superior Tribunal de Justiça Desportiva não tomassem providências cabíveis para acabar com as ofensas dirigidas à arbitragem brasileira. Por motivos ainda desconhecidos, eles recuaram de tal atitude.

Como voluntários remunerados, os árbitros prestam um serviço ao futebol e realmente são desvalorizados por isso, haja vista a incrível pressão que recebem de todas as partes: torcida, jogadores, dirigentes e comissão técnica, mas daí a se colocarem como vítimas é outra história.

As palavras de Sérgio Correa só confirmam a total falta de respeito da CBF para com o torcedor brasileiro. Os erros nesse Brasileirão já se tornaram tão comuns que não vale mais a pena discuti-los. Infelizmente, tanto a FIFA quanto os amigos de José Maria Marin acham que as falhas de arbitragem fazem parte do futebol, mas não são eles que pagam a conta: somos você e eu, os torcedores e financiadores deste circo em que se transformou o futebol.