Fifa pode acabar com a graça da Copa do Brasil; entenda

Fifa

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou em sua coluna na revista da entidade que a regra do gol fora de casa, em partidas mata-mata, pode ser extinta. Segundo o dirigente da entidade máxima que cuida do futebol, os dias atuais não mais sustentam a existência desse regulamento, motivo pelo qual ela pode ser revista no futuro próximo.

LEIA MAIS:
Tremor de terra no Chile assusta elenco do São Paulo;
Como seria a Liga Espanhola sem o Barcelona?

“É hora de repensar o sistema. O futebol progrediu desde os anos 60, então a regra dos gols fora de casa precisa ser questionada. Essa regra ainda faz sentido? A ideia vem de uma época quando os jogos fora de casa eram muitas vezes uma grande aventura, com grandes e longas viagens muitas vezes envolvidas na equação. Agora, porém, essa regra beneficia o clube que joga fora de casa a segunda partida de um confronto mata-mata. Na realidade, ela favorece o clube que joga fora de casa no segundo jogo. Quando o placar está empatado, o time tem mais 30 minutos mais que o oponente para marcar um valioso gol fora. Afinal, no primeiro jogo não há prorrogação”, afirmou Blatter.

Essa regra é uma das características principais da Copa do Brasil, da Libertadores e até mesmo da Liga dos Campeões da Europa. Nesta quarta (15), por exemplo, o ABC venceu o Cruzeiro de virada por 3 a 2, mas não avançou para a semi final justamente pelo critério do gol fora de casa. Como a Raposa venceu o primeiro jogo no Mineirão por 1 a 0, ficou com a vaga.

Em partida igualmente emocionante, o Atlético-MG reverteu um resultado negativo diante do Corinthians. Após ser derrotado por 2 a 0 na Arena Itaquera, o Galo recebeu o Timão no Mineirão e, mesmo tendo sofrido um gol nos minutos iniciais, virou o placar para 4 a 1, em  sua melhor partida na temporada.

A regra do gol fora de casa pode até ser injusta, mas ela é um dos elementos que dá mais emoção ao futebol. No caso do Brasil, já basta a morosidade do Brasileirão por pontos corridos que, em 38 rodadas, não é capaz de proporcionar uma carga emocional tão alta quanto se verificou nesta noite de mata-mata da Copa do Brasil.

Foto: Getty Images