Atlético-MG falha nas bolas aéreas e cai diante de algoz histórico

Para a tristeza do torcedor do Atlético-MG, o time é um freguês do Corinthians em torneios mata-mata. Os dois já foram colocados frente a frente em seis ocasiões e o Galo foi eliminado em todas elas.

LEIA MAIS
Veja os gols das quartas de final da Copa do Brasil
Opinião: Cruzeiro não vai ser campeão da Copa do Brasil
Organizada do América-RN ameaça torcedores do Flamengo

Nessas quartas de final da Copa do Brasil, porém, a crença era de que a história seria diferente, afinal, o Atlético-MG vem jogando muito bem, enquanto o Corinthians alterna momentos ótimos com momentos péssimos.

Apostando todas as fichas no quarteto ofensivo formado por Dátolo, Guilherme, Carlos e Diego Tardelli, o Galo começou o jogo ontem mordendo os donos da casa. Só não abriram o placar porque Gil salvou uma bola em cima da linha e o último passe não estava saindo redondinho.

Tal dificuldade fez com a equipe agredisse menos o rival e passasse a cadenciar mais o jogo, algo que não é exatamente o ponto forte do alvinegro mineiro, mais afeita à velocidade.

O Corinthians, por sua vez, seguiu sua toada e abriu o placar depois de falha dos dois laterais: Douglas Santos, em deixar seu lado da defesa exposto e permitir o cruzamento e Marcos Rocha, que mal posicionado, somente assistiu Guerrero subir sozinho e fazer explodir a torcida na Arena Corinthians.

Sempre um ponto fraco da equipe, a bola aérea na noite desta quarta-feira não somente derrotou o Galo, como implodiu todos os seus anseios. Insegura, a equipe pouco produziu entre o primeiro e o segundo gols sofridos. A melhor chance do time, inclusive, saiu totalmente sem querer, quando Leandro Donizete lançou Dátolo que, despretensiosamente finalizou e a bola foi na trave de Cássio.

No final, depois de falha bisonha de Victor que ocasionou o segundo gol corinthiano, o Atlético-MG só pôde torcer para que o tempo passasse o mais rápido possível e a partida acabasse.

Mais uma vez derrotado pela bola aérea, o time não somente perdeu o jogo, como viu o fim de sua recente sequência positiva e pode ter o emocional abalado para o Brasileirão, competição em que passou a pegar gosto só agora.

No entanto, se foi pelo alto que o Galo sucumbiu, é somente pelo alto mesmo que pode se recuperar: com a cabeça erguida e olhando em frente.



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...