Aranha: “está provado que Patrícia Moreira não é racista”

Getty Images

O goleiro Aranha falou mais uma vez sobre o caso de racismo sofrido por ele na partida entre Grêmio e Santos, pela Copa do Brasil, no dia 28 de agosto. Em entrevista ao site “Vice”, o jogador santista falou sobre o preconceito que sofre fora de campo e sobre o caso ocorrido na Arena do Grêmio.

“Às vezes, se você não der uma de louco, você não é ouvido. Então, quando começou aquela manifestação, eu tive muita calma, não tava irado. Porque eu falei: ‘Bom, na quantidade e no volume que tá, pelo jeito que tá acontecendo, vão filmar. E vai ter todo um processo pra poder resolver isso, pra poder culpar quem for culpado’. Então, eu tava muito tranquilo, porque eu tava me sentindo na razão. Mas aí o que acontece? Quando fui expor a situação para o árbitro, ele falou pra mim o contrário. Quando ele inverteu a situação e eu voltei pro gol de frente pro torcedor, eu vi que eles comemoraram”, disse Aranha.

LEIA MAIS
Damião inova e puxa própria camisa para cavar pênalti para o Santos

Sobre a torcedores gremista Patrícia Moreira, flagrada pelas câmeras de televisão chamando o goleiro de macaco, Aranha preferiu não fazer críticas.

“Já ficou mais do que provado que ela não é racista, mas ela mesma disse que foi na onda e teve essa atitude e se ferrou, porque se todo mundo for usar a onda como desculpa pra fazer as coisas”, afirmou.

O Grêmio foi punido inicialmente com a exclusão da Copa do Brasil e posteriormente teve a pena revertida em perda de pontos. Ainda assim, seguiu fora da competição. Já Patricia e outros três torcedores foram indiciados por injúria racial.

“Uma das coisas que me incomodou mais é que muita gente tava me colocando como coitado. Em momento algum, eu falei ou me comportei como um coitado, como um cara que tava sofrendo, querendo me aproveitar da situação como um coitadinho. Tenho um bom emprego, tenho um carro bonitinho, tenho um salário bom. Agora, o problema é pros outros que não têm como se defender. Não têm como reagir, bater de frente”, explicou o goleiro, que assumiu ter ficado surpreso com a reação de dirigentes do Grêmio e do técnico Luiz Felipe Scolari.

“O Felipão, eu fiquei surpreso, porque logo depois a assessoria do Grêmio mandou uma carta assinada por ele em nome de todos os jogadores pedindo desculpa por tudo o que aconteceu, e logo depois ele falou aquilo. Ficou uma interrogação, mas cada um tem o direito de pensar o que quer, tanto é que não foi uma declaração dele, falaram que o ouviram falando”, finalizou.



Editor senior do Torcedores.com, o jornalista formou-se na Universidade Metodista em 2009 e passou pelas redações do Diário do Grande ABC, Agora SP, UOL e Fox Sports, onde fez a cobertura da Copa do Mundo de 2014. Está no Torcedores desde outubro de 2014.