Vitória contra Botafogo reacende esperança pelo título do Inter

Em 1979, ano em que o Inter foi campeão brasileiro pela última vez, seu adversário na final foi um time carioca, o Vasco. Na ocasião, regidos pelo maestro Falcão, o colorado não apenas atropelou o time da Cruz de Malta na final ao vencer os dois jogos, como terminou a competição invicto, sendo, inclusive, o único time a vencer o Campeonato Brasileiro desta forma em toda a história.

Leia mais:
Veja os gols da 21ª rodada do Brasileirão
Classificação do Brasileiro: São Paulo vence e encosta no líder Cruzeiro

Agora, o que tudo isso tem a ver com a vitória do Inter sobre o Botafogo? Aparentemente, nada. Aliás, 1979 já foi a tanto tempo atrás, que, realmente, a analogia com aquela saudosa competição para a torcida do Inter não faz sentido, mesmo porquê, aquele time era tão avassalador, que qualquer comparação com ele soa como uma piada de mal gosto.

Porém, a vitória sobre o Botafogo ontem pode ter, para os crentes em coincidências do esporte, um valor simbólico: o Botafogo é do Rio de Janeiro, assim como o Vasco. Quem sabe o mapa da mina, perdido pelo Inter em algumas rodadas passadas, não pode ter sido reencontrado?

Tudo bem, concordo que essa é uma superstição boba e, de certa forma, sem sentido, mas para quem estava ligeiramente desorientado em seus próprios propósitos, caso do Inter, qualquer crença em algo subjetivo pode ser um bom indício.

O Inter perdeu suas últimas duas partidas no Campeonato Brasileiro e foi eliminado de duas competições em mata-mata em um período de um mês. Segundo Abel Braga, treinador da equipe, essas eliminações até poderiam ser engolidas, desde que o time tivesse “alma de campeão” no Brasileirão e engatasse uma sequência de sete vitórias, que começariam contra o Figueirense.

Porém, depois da derrota para os catarinenses, semana passada, o castelo de Abel sofreu algumas avarias, ficando próximo de cair. Quando foi derrotado para o Vitória, no meio de semana, então, bateu uma ventania tão forte, que a coisa só não foi para o chão de uma vez por todas porque o crédito do treinador com a instituição parece ser inifnito.

E se for mesmo, é de certa forma justo, afinal, se o Inter hoje postula por títulos de maior grandeza no futebol, boa parcela dos méritos é de Abel Braga, que tirou o Inter do posto de time sem graça, onde fora colocado nos anos 90, e o colocou no patamar dos gigantes do futebol continental, ao conquistar a Libertadores e Mundial, em 2006.

Ninguém vive somente de passado, é claro, mas ele ajuda muito nas questões do presente. Foi por isso que Abel ganhou sua sobrevida e fez o Inter voltar a vencer. Se ainda é possível ser campeão, depende de uma série de fatores. Mas que voltar a somar pontos é o primeiro passo para isso, inegavelmente, é.

Os próximos desafios da equipe colorada são contra os rubro-negros Sport e Atlético-PR, ambos fora de casa, e Criciúma, em casa. Se Abel disser que os tais sete jogos começaram para valer agora, acreditem.

A mandinga e, principalmente, a qualidade dos próximos adversários, mostram que ainda dá. Dá e muito.

Foto: Getty Images



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...