Veja como os uniformes do vôlei mudaram nos últimos 30 anos

O vôlei passou por profundas mudanças técnicas e regulamentares nos últimos 30 anos, desde quando o Brasil conquistou a histórica medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, nos Estados Unidos. Mas, assim como outros esportes, o material dos atletas também mudou bastante.

LEIA MAIS
Relembre 5 grandes momentos do Mundial masculino de vôlei
Relembre os três títulos mundiais de vôlei do Brasil
Brasil luta para ser o primeiro tetracampeão mundial consecutivo de vôlei

Na galeria acima, o Torcedores.com mostra agora como evoluíram os uniformes do vôlei nas últimas três décadas, que marcaram os dois ouros olímpicos masculinos e outros dois femininos, o tricampeonato mundial dos meninos de Bernardinho, além de inúmeros títulos da Liga Mundial, Grand Prix, Copa dos Campeões e Copa do Mundo.

As mudanças ajudaram inclusive na movimentação dos atletas em quadra. Material esportivo mais leve, camisas que não seguram tanto o suor, além do fim das mangas, considerado fundamental para a articulação dos braços, foram algumas das modificações mais impactantes.

No vôlei feminino, algumas alterações causaram fortes rejeições entre as atletas, como os “macaquinhos” lançados em 1998. A exposição do corpo das jogadoras, considerado por muitos como um apelo para atrair público, foi criticada pelas meninas da seleção brasileira em reportagem exibida pela TV Globo na época.

No caso específico do Brasil, a faixa amarela do patrocinador na altura do peito ficava transparente, como disse o técnico Bernardinho em entrevista à revista Veja. A FIVB, na época, disse que a intenção não era tornar a imagem das atletas mais sensual. Mesmo assim, a batalha nos bastidores foi vencida pelas meninas – e pelo bom senso. O uniforme não chegou a ser usado no Grand Prix do mesmo ano.

E você, o que achou das mudanças nos uniformes nesses 30 anos? Qual era o seu preferido?



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016. Também colabora com o ONDDA, site "irmão" do Torcedores.com.