Torcida do Grêmio pega no pé, mas Aranha responde fechando o gol

aranha patrícia moreira
Getty Images

Toda a expectativa em torno do retorno do goleiro Aranha à Arena do Grêmio acabou por volta das 20h30 desta quinta (18), quando os times entraram em campo. De acordo com o que, infelizmente, se esperava, a torcida do Grêmio vaiou muito o camisa 1 santista desde o momento em que ele pisou no gramado, até todas as vezes em que participava do jogo.

LEIA MAIS
Torcedores do Grêmio xingam Aranha no reencontro

Aliás, por falar em participação, se teve alguém que, ironicamente ou não, teve atuação decisiva na partida de ontem esse alguém é justamente o goleiro Aranha. Inabalável com as demonstrações hostis das arquibancadas, ele fechou o gol com, pelo menos, quatro defesas importantes e fez com que a agressividade das arquibancadas fossem murchando pouco a pouco.

Desfalcado de Barcos, que sentiu dores na perna no final da tarde, o time entrou em campo com o jovem Lucas Coelho para a função de colocar bolas no fundo da rede santista. Contudo, o que ele não contava, era com a astúcia de Aranha, que em uma noite digna dos grandes arqueiros do mundo, não deixou passar nem pensamento entre suas mãos.

Deficiente na armação de jogadas, com laterais praticamente inoperantes na frente e errando muitos passes no meio, o Grêmio só conseguiu chegar à meta adversária após os poucos vacilos cometidos pela defesa do clube paulista.

O clima das arquibancadas também acabou sendo outro fator desfavorável, uma vez que percebia-se uma certa tensão entre os jogadores, receando que, novamente, as manifestações contra Aranha descambassem para agressões mais sérias.

O empate sem gols acabou ficando de bom tamanho pelo futebol apresentado e, principalmente, pelo anseio desmedido da torcida em simplesmente endossar um fato triste da história do clube, em detrimento da oportunidade em ter um comportamento exemplar de amizade e enterrar em definitivo essa história.

No fim das contas, o time deixou escapar dois pontos que podem fazer falta lá na frente, na briga pelo G4. E sabe quem vai lamentar se isso realmente acontece? A própria torcida.

Se vaidade e ignorância matassem…



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...