Relembre 10 torneios que só serviram como caça-níqueis nos anos 90

O futebol dos anos 2000 no Brasil é marcado por um calendário ainda cheio de problemas e defeitos, mas que dá ao torcedor uma espécie de estabilidade. Nós sabemos, por exemplo, que teremos torneios estaduais entre janeiro e abril, Brasileirão a partir de maio, e Copa do Brasil, Libertadores e Sul-Americana ao longo do ano. Mas isso era muito diferente nos anos 90.

Como a economia brasileira passava por um processo de reabilitação após anos de crise e hiperinflação, os anos 90 foram uma época em que os clubes tentavam todas as formas possíveis para ganhar dinheiro. Não importava que um time chegasse a fazer quase 100 partidas na temporada, como aconteceu com o Palmeiras no final da década. O negócio era arrecadar.

Com isso, além dos tradicionais estaduais, Brasileirão, Copa do Brasil e competições continentais, o jeito foi encher o calendário de competições caça-níqueis, existentes apenas para rechear os cofres dos clubes e ajudar nas finanças daqueles tempos em que o futebol europeu já fazia uma limpa nos nossos craques.

O Torcedores.com relembra agora dez dos mais famosos torneios caça-níqueis daquela época.

– Torneio Rio-São Paulo

Tentativa de ressurgir a rivalidade que baseou a primeira versão do campeonato, o Torneio Rio-SP foi disputado em 1993, 1997, 1998, 1999, 2000 e 2001 com os quatro grandes de cada estado. Apenas nos dois últimos anos ele valeu de fato alguma coisa, já que a Copa dos Campeões, torneio que dava vaga na Libertadores, reunia os campeões regionais. Em 2002, com a entrada de outros times menores, a competição virou Liga Rio-São Paulo. Mesmo assim, as outras edições não tiveram significado tão grande. O título do Santos em 1997, por exemplo, não tirou do torcedor a sensação de fila que durou até o Brasileirão de 2002.

– Taça Maria Quitéria

Organizada pela Federação Baiana de Futebol, a competição era realizada sempre na intertemporada entre os Estaduais e o Brasileirão, na época bem mais curto que o atual, começando apenas em agosto. Era bancada pelo SBT, que detinha apenas os direitos da Copa do Brasil entre os maiores campeonatos e queria aproveitar essa época de pausa no futebol das outras emissoras para deixar sua marca nas transmissões esportivas. O torneio foi disputado em três edições, 1996, 1997 e 1998. Sempre com quatro times que faziam semifinal e final, com qualquer equipe precisando de dois jogos para ser campeã. Bahia e Vitória, representantes locais, disputaram as três. Os convidados é que mudaram. Em 1996, Coritiba e Internacional de Porto Alegre disputaram. No ano seguinte, foi a vez de Flamengo e Palmeiras. Na última edição, Palmeiras e Corinthians. Cada baiano ganhou um título e o Palmeiras ficou com o outro em três anos de existência.

– Copa dos Campeões Mundiais

Mais um caça-níqueis com o selo do SBT, a competição reuniu durante três edições os quatro clubes brasileiro que haviam conquistado, até então, o Mundial Interclubes. Santos, São Paulo, Grêmio e Flamengo faziam um quadrangular. Os dois primeiros disputavam a final. O São Paulo foi campeão das duas primeiras edições, em 1995 e 1996. A última, em 1997, ficou com o Rubro-Negro.

– Festival Brasileiro de Futebol

Organizado também pelo SBT, essa competição foi disputada uma única vez, em 1997, no fim do ano. Participaram clubes menores, como o Rio de Janeiro, antigo nome do Clube de Futebol do Zico, o CFZ, e também os grandes que ficaram fora da fase final do Brasileirão. A primeira fase foi disputada em Campo Grande-MS, e a final entre Coritiba e Botafogo foi para a capital paranaense. Prevaleceu a torcida e o Coxa foi campeão nos pênaltis após um 3 a 3 no tempo normal.

– Seletiva para a Libertadores

A Conmebol resolveu aumentar o número de participantes da Libertadores para 32 a partir do ano 2000, mas os regulamentos do futebol brasileiro ainda não previam mais vagas além daquelas destinadas ao campeão da Copa do Brasil e ao campeão brasileiro. Com direito a mais duas, decidiu-se conceder um delas ao vice do Brasileirão. A outra… bem, em vez de dar ao terceiro colocado, como é feita hoje, a CBF preferiu criar um torneio com os times que iam sendo eliminados do Brasileirão. Tudo por mais jogos, mais audiência, e mais dinheio. Primeiro, o 17º e o 18º do Nacional disputavam uma vaga. Depois, entravam na briga os times que não foram aos playoffs do Brasileirão, entre o 9º e o 16º. Os vencedores de toda essa salada enfrentavam os quatro eliminados das quartas de final. E ainda tinha a entrada dos semifinalistas que perderam. Com tudo isso, o Atlético-PR acabou pegando o Cruzeiro e ficando com o título – e a vaga na Libertadores.

– Taça Quadrangular de Brasília (Copa Rede Bandeirantes)

Regulamento igual ao da Taça Maria Quitéria, com quatro times, só que disputada em Brasília e com o patrocínio da TV Bandeirantes. Teve apenas uma edição, em 1996, com três times cariocas (Flamengo, Fluminense e Botafogo) e o Atlético-MG. Rubro-Negro e Galo decidiram o título, que ficou com os cariocas.

 – Torneio de Verão

O próprio nome já entrega a importância da competição. Foi disputada em janeiro de 1996, com todos os jogos realizados em Santos. O campeão foi o time da casa, o Peixe, em um torneio que contou com as presenças de Grêmio, Cruzeiro e Corinthians. Tiro curto, semifinal e final apenas. Você adivinha quem foi o organizador? Sim, foi o SBT.

– Copa Mercosul

Essa é polêmica, porque muita gente considera como uma espécie de Copa Sul-Americana da época. Mas o torneio não tinha sequer a dimensão da atual competição secundária da Conmebol. Participavam apenas times dos países que formavam o Mercosul entre 1998 e 2001. O resto se juntou para jogar uma Copa Merconorte, nome que é muito bizarro, já que nunca existiu um mercado comum entre os demais países. O Brasil ganhou três das quatro edições, com Palmeiras, Flamengo e Vasco. A última foi vencida pelo San Lorenzo, da Argentina.

– Copa Ouro da Conmebol

Como se não bastasse a existência da Copa Libertadores, Copa Conmebol, Copa Master da Conmebol e Supercopa dos Campeões da Libertadores, a Conmebol ainda decidiu organizar um campeonato com os campeões das quatro competições da temporada anterior. Foram três edições, com títulos para Boca Juniors (1993), Cruzeiro (1995) e Flamengo (1996). Não precisamos nem dizer quem é a emissora que abraçou a competição e transmitiu para o Brasil, não é? De todo modo, vale a repetição: foi o SBT.

– Supercopa Libertadores

Tinha a intenção de ser a segunda competição mais importante da América do Sul. Os torcedores até chegaram a considerar assim. Mas era bizarra. Participavam apenas equipes que haviam sido campeãs da Libertadores desde 1960. Não havia critérios técnicos. Para a Conmebol, ter sido vencedor da principal competição do futebol sul-americano há 30 anos dava mais direito do que ter o melhor time na atualidade. Clubes como Palmeiras, Corinthians e Atlético-MG nunca participaram do torneio, extinto em 1997. O Brasil levou três títulos, dois com o Cruzeiro e um com o São Paulo.



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016. Também colabora com o ONDDA, site "irmão" do Torcedores.com.