Se não vendesse os craques da base, como seria o seu time hoje?

Craques

O futebol brasileiro é um celeiro de craques e, pela quantidade de bons valores oferecidos, sofre constantemente um verdadeiro ataque dos gigantes europeus e até mesmo de outras equipes da Ásia e do Oriente Médio. A preços contestáveis, muitos jovens talentos nacionais saem daqui e vão brilhar pelo mundo.

LEIA MAIS
Jornal lista 10 melhores jogadores que nunca venceram a Champions
Emerson Sheik? Hulk? Veja os verdadeiros nomes dos jogadores

Viúvos destes jogadores, os clubes brasileiros se veem prejudicados e tentam criar mecanismos para manter esses garotos o máximo de tempo vestindo suas camisas. Contudo, nem sempre isso é possível, mas como seria se o seu time não vendesse alguns craques da base?

  • Atlético-MG: Campeão da Libertadores no ano passado, o Galo perdeu Bernard para o futebol ucraniano e, sem o “menino da alegria nas pernas”, caiu de rendimento. Se o Atlético-MG houvesse mantido seu ex-camisa 11 na equipe as coisas podiam estar bem melhor – Victor; Marcos Rocha, Leandro Silva, Rever e Lucas Cândido; Pierre, Josué, Dátolo; Bernard, Diego Tarelli e Jô;
  • Botafogo: O Botafogo é responsável por revelar ao futebol Leonardo Moura e, mais recentemente, Caio e Vitinho. Com eles no alvinegro, as coisas estariam sendo bem melhores do que atualmente – Jefferson; Edilson (Leonardo Moura), Bolivar, André Bahia e Junior Cesar; Marcelo Mattos, Gabriel, Ramírez e Vitinho; Caio e Emerson;
  • Corinthians: Willian, meia que atualmente está no Chelsea, saiu do Parque São Jorge muito cedo, assim como Marquinhos, zagueiro do PSG, e que poderiam ser peças-chaves no atual time do técnico Mano Menezes – Cássio; Fágner, Gil, Marquinhos e Fábio Santos; Ralf, Elias, Jádson e Willian; Romero e Guerrero;
  • Cruzeiro: Com Dedé e Manoel na zaga, o Celeste não encontra problemas defensivos, mas se não houvesse vendido Luisão há alguns anos, o setor estaria muito melhor e mais experiente – Fábio; Mayke, Dedé, Luisão e Egídio; Nilton, Lucas Silva, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart; Dagoberto e Marcelo Moreno;
  • Flamengo: Historicamente, craque o Flamengo faz em casa, mas, recentemente, não é isso que se tem visto. No gol, Paulo Victor é o titular, mas se Julio César não tivesse deixado a Gávea no início dos anos 2000, dificilmente o garoto ocuparia o posto. Na zaga, Juan, que fez história pela Roma-ITA, também seria uma referência para defesa rubro-negra – Júlio César; Leonardo Moura, Juan, Samir e João Paulo; Cárceres, Canteros, Márcio Araújo e Everton; Eduardo da Silva e Alecsandro;
  • Fluminense: O Tricolor Carioca é um dos times que tem a melhor categoria de base do país e se houvesse segurado alguns desses valores hoje, certamente, teria um elenco muito mais forte. As laterais, por exemplo, seriam ocupadas por Rafael (atualmente no M. United) e Marcelo (atualmente no Real Madrid), enquanto o ataque poderia continuar a ter a velocidade de Wellington Nem – Diego Cavalieri; Rafael, Gum, Elivélton e Marcelo; Jean, Cícero, Wágner e Conca; Wellington Nem e Fred;
  • Grêmio: Lucas, Anderson e Ronaldinho Gaúcho são alguns dos nomes que certamente reforçariam o Grêmio atualmente caso as antigas diretoria não tivessem os vendido quando garoto – Marcelo Grohe; Pará, Geromel, Rodolpho e Zé Roberto; Lucas, Fellipe Bastos, Anderson e Ronaldinho; Dudu e Barcos;
  • Internacional: Se atualmente o Colorado vem enfrentando problemas no ataque, caso houvesse mantido Alexandre Pato ou Luis Adriano no Beira-Rio isso dificilmente ocorreria – Muriel; Wellington Silva, Paulão, Juan e Fabrício; Willians, Aranguiz, Alex e D’Alessandro; Alexandre Pato e Nilmar (Luis Adriano);
  • Palmeiras: O Alviverde Paulista é um centro de revelação de goleiros, mas vem enfrentando problemas com o jovem Fábio. No entanto, nada disso estaria acontecendo se Diego Cavalieri não tivesse sido negociado há alguns anos. No ataque, Henrique vem dando conta do recado, mas imagina se Vágner Love também estivesse por lá? O Centenário estaria sendo bem melhor – Diego Cavalieri; Wendel, Lúcio, Victorino e Juninho; Marcelo Oliveira, Wesley, Valdívia e Allione; Vágner Love e Henrique;
  • Santos: Com duas gerações de ouro dos meninos da Vila, o Santos só conta atualmente com Robinho, mas um gestão melhor sobre esses jovens valores teria dado ao Alvinegro Praiano um quarteto de ataque composto por Paulo Henrique Ganso, Diego, Neymar e Robinho – Aranha; Cicinho, Edu Dracena, David Braz e Mena; Arouca, Souza, Paulo Henrique Ganso, Diego, Neymar e Robinho;
  • São Paulo: Considerado um dos melhores times do Brasil, o São Paulo tem opções capazes de dar inveja em muitas outras equipes do país, mas, se nomes como Oscar, Hernanes e Miranda estivessem no Morumbi, o Tricolor Paulista seria quase invencível – Rogério Ceni; Auro, Rafael Tóloi, Miranda e Álvaro Pereira; Souza, Hernanes, Paulo Henrique Ganso, Oscar (Kaká); Alexandre Pato e Allan Kardec;
  • Vasco: Em crise, o Gigante da Colina precisa se renovar e conta com alguns jogadores revelados na categoria de base para isso, contudo, se pudesse ter à disposição Alan, P. Coutinho e Alex Teixeira essa tarefa seria muito mais fácil – Martin Silva; Alan, Luan, Rodrigo e Lorran; Guiñazu, Fabrício, Douglas e P. Coutinho; Alex Teixeira e Kléber.

Foto: Getty Images