Relembre os grandes craques que já disputaram Fla-Flu

“O Fla-Flu nasceu quarenta minutos antes do nada”, já dizia Nelson Rodrigues, mas, sendo isso verdade ou não, o fato é que depois dele o futebol carioca jamais foi o mesmo. O termo, imortalizado por Mario Filho, remete milhões de torcedores a lembranças nostálgicas de tempos em que grandes craques do futebol brasileiro deram brilho a este clássico.

LEIA MAIS
Conheça as mulheres dos jogadores do Flamengo
Conheça as mulheres dos jogadores do Botafogo
Conheça as mulheres dos jogadores do Vasco

Se pensarmos nos goleiros que já atuaram neste duelo veremos nomes como os de Raul, Castilho e Paulo Vitor. Nas laterais, Leandro e Júnior atuaram com muito brilho pelo Flamengo, mas o que dizer de Branco e Carlos Alberto Torres sobre o período em que defenderam o Fluminense?

Domingos da Guia, por exemplo, tido como um dos zagueiros mais habilidosos da história do futebol brasileiro, emprestou seu talento ao clássico vestindo o manto rubro-negro, assim como Ricardo Gomes, Pinheiro e Edinho pelo lado Tricolor.

No meio campo, o lugar dos craques, Andrade, Adílio e Zizinho desfilaram com a camisa vermelha e preta em muitas oportunidades, não mais, é claro, do que Zico, o maior jogador da história do Flamengo. Rivelino, o maior jogador do Flu, também se faz presente nessas lembranças e conta com a ajuda de Didi e Gérson para mostrar que o time das Laranjeiras também é capaz de montar um meio campo lendário.

Contudo, se o meio campo é o lugar dos craques, o centro avante é o mais importante e, normalmente, é dos seus pés ou cabeça que saem os gols. No Fla-Flu, entretanto, não é bem assim e Renato Gaúcho, com seu histórico gol de barriga marcado em 1995, é uma prova viva disso.

Além dele, Romerito, Washington e Assis marcaram época no ataque tricolor, bem como Leônidas da Silva, Romário (que também jogou pelo Flu) e Nunes, o artilheiro das decisões rubro-negras.

A lista de craques é muito maior e seria preciso mais do que um livro para poder enumerá-los. O Fla-Flu deste domingo (21) não tem o mesmo brilho de outros tempos, mas, como já dizia Nelson Rodrigues, esse embate antecede a própria noção de tempo e a concepção que temos sobre as coisas, pois “o Fla-Flu nasceu quarenta minutos antes do nada”.

Foto: Getty Images