Cruzeiro encara “freguês” Atlético-PR para recuperar ritmo no Brasileirão

Cruzeiro x Atlético-PR
Getty Images

O Cruzeiro está no olho do furacão: time de melhor campanha no campeonato e cujo futebol jogado encanta, já faz um certo tempo que a caça à Raposa está em voga. Também está na garganta do Furacão: faz três anos que a celeste mineira não perde para o rubro-negro paranaense em jogos pelo Campeonato Brasileiro.

Leia mais: Convocação de Dunga beneficia o São Paulo na briga pelo título

Derrotado pela última vez em 2011, ano em que passou boa parte da competição flertando com o rebaixamento, o Cruzeiro desde então não foi atingido por uma brisa sequer vinda do adversário. Mesmo porquê, se em tal ano os mineiros se safaram da queda, os paranaenses não tiveram a mesma sorte e em 2012 um não encarou o outro na principal competição futebolística do país.

Sendo assim, os dois times só voltaram a se enfrentar pelo Brasileirão em 2013, ano em que o Cruzeiro não teve piedade de ninguém. Nos dois jogos contra o Atlético-PR, conseguiu uma vitória e um empate. Em 2014, a escrita foi mantida e a celeste voltou para casa com três pontos na mala.

Ciente dessa freguesia de momento, e com um time bem menos badalado que os rivais de azul, o Atlético-PR conta, pelo menos, com a torcida de mais uns cinco ou seis times para que estrague o tempero do pão de queijo cruzeirense.

Depois da derrota para o São Paulo na última rodada, a grande aposta dos postulantes ao título é que o lado psicológico do Cruzeiro tenha sido abalado. Também leva-se em consideração a dificuldade maior que o líder teve em vencer seus últimos jogos.

Contra o Grêmio, por exemplo, só conseguiu garantir o triunfo aos 38 do segundo tempo. Diante da Chapecoense, saiu atrás do marcador e só virou o jogo depois de muita insistência, já na segunda etapa de partida. Mesma coisa aconteceu no duelo com o Bahia, semana passada, cujo até um pênalti, bastante estranho, anotado a favor dos mineiros, ajudou-os em demasia no resultado final do embate. Todos esses jogos foram no Mineirão, estádio que tem sido um ingrediente a mais na receita vitoriosa da equipe.

Fora de casa, também passou dificuldades contra o Fluminense, onde empatou em 3×3, e sofreu um bocado até despachar o Goiás, por 1×0. Tudo isso demonstra que o Cruzeiro é um time de respeito, sim, mas a melhor forma de combatê-lo, é partindo pra cima. Se baixar a guarda, é pior. O Santos, último a ser sumariamente atropelado por ele, que o diga.

O Atlético-PR, que briga no meio da tabela, pode não ter o anseio em ser um osso duro de roer, mas também pode querer manter intacto seu orgulho e se postar com mais gana em campo – o que não tem acontecido muito, diga-se de passagem.

Já o Cruzeiro vai precisar mostrar que tem mais oxigênio no peito do que os ventos do Furacão. Se o fôlego estiver mesmo em dia, o sopro que pode vir a ser dado tende a ser avassalador.

Saudável a Raposa tem sido há um bom tempo. Resta agora mostrar que, mesmo com as obstruções recentes, a respiração ainda está intacta.

Ficha técnica – Cruzeiro x Atlético-PR

Campeonato Brasileiro – 22ª rodada

Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte – 19h30

Cruzeiro: Fábio; Mayke, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Everton Ribeiro e Júlio Baptista; Alisson e Marcelo Moreno.

Técnico: Marcelo Oliveira

Atlético-PR: Weverton; Márgio Sérgio, Cleberson, Gustavo e Willian Rocha; Deivid, João Paulo, Marcos Guilherme e Bady; Marcelo Cirino e Douglas Coutinho.

Técnico: Claudinei Oliveira

 

Foto: Getty Images



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...