Com mudanças pontuais, Joel dá nova cara ao Vasco no primeiro jogo

vasco
Flickr/Divulgação

Na reestreia de Joel Santana, o Vasco venceu o Luverdense por 2 a 0, em São Januário, e se consolidou com um dos integrantes do G4 da Série B.

O resultado começou a ser construído ainda no primeiro tempo, com Rodrigo abrindo o placar de cabeça, após escanteio cobrado por Douglas. Na segunda etapa, o mesmo camisa 10 deu lindo passe para Maxi Rodríguez sacramentar 2 a 0 para o Gigante da Colina.

Embora tenha tido pouco tempo para treinar o time, Joel Santana já conseguiu dar novas características ao Vasco da Gama. A torcida esperava um time diferente do que via com Adilson Batista e, logo na escalação, o novo comandante proporcionou isso.

Jordi foi escalado no lugar de Diogo Silva para substituir Martín Silva e Jhon Cley, que assim como o novo goleiro foi um dos destaques do Vasco na conquista da Taça BH no ano passado, também começou entre os titulares.

A mudança das peças também provocou um ajuste na estrutura da equipe. Um dos pontos mais criticados em relação ao time na Era Adilson se referia a falta de jogadores dentro da área adversária, pois, quando Kléber (muitas vezes o único atacante de ofício) vinha buscar jogo, não havia referência no comando de ataque.

Contra o Luverdense, isso não foi tão sentido, pois tanto o Gladiador quanto Douglas preencheram o espaço e ainda tiveram o importante auxílio de Maxi Rodríguez e dos laterais Diego Renan e Marlon.

Em relação ao aspecto motivacional, a torcida cruzmaltina viu um time mais vibrante, o que proporcionou um jogo mais dinâmico e de constantes ameaças à equipe do Mato Grosso. Sobretudo dos pés de Douglas, o Vasco levava sempre preocupação com as jogadas aéreas, um ponto muito marcantes nos times de Joel Santana. Com menos posse de bola do que de costume (aproximadamente 55% – o padrão do Vasco é de 60%), o Gigante da Colina foi muito mais perigoso (16 finalizações: 6 certas e 10 erradas).

Se, ofensivamente, foi possível perceber diferenças, o mesmo pode ser dito em relação à defesa. As “avenidas” pelas laterais não existiram, bem como os espaços para o contra-ataque adversário. Quando perdia a bola, o Vasco tratava logo de se recompor, como frisou bastante Joel durante o pouco período de treinamento.

Contudo, nem tudo são flores, pois o trabalho está só começando. Assim como na época de Adilson Batista, na (re)estreia de Joel Santana o Vasco foi muito dependente das jogadas de bola parada e, principalmente, da inspiração de Douglas. É preciso distribuir essa responsabilidade, porque, como visto em outras oportunidades, nem sempre o camisa 10 é capaz de atender as expectativas.

FICHA TÉCNICA
VASCO 2 X 0 LUVERDENSE

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data-Hora: 9/9/2014 – 19h30
Árbitro: Marcos André Gomes da Penha (ES)
Auxiliares: Fábio dos Santos (ES) e Edson dos Santos (ES)
Público/renda: 7.438 pagantes/R$ 144.620,00
Cartões amarelos: Kléber (Vasco); Jean Patrick e Léo (Luverdense)
Cartões vermelhos:

GOLS: Rodrigo (18’/1ºT), Maxi Rodríguez (15’/2ºT)

VASCO: Jordi, Diego Renan, Rodrigo, Douglas Silva e Lorran; Guiñazú, Fabrício, Jhon Cley e Douglas (Dakson, 47’/2ºT); Maxi Rodríguez (Edmilson, 38’/2ºT) e Kléber (Thalles, 37’/2ºT)– Técnico: Joel Santana.

LUVERDENSE: Gabriel Leite, Michel Bertasso (Clécio, 23’/1ºT; Léo, intervalo), Montoya e Paulinho; Carlão, Samuel, Jean Patrick e Washington (Rubinho, 16’/2ºT); Gilson e Lê – Técnico: Junior Rocha.

Crédito da foto: Flickr/Divulgação