Opinião: Além do ‘tiki-taka’, novo Bayern é mais vertical e também cruza mais

Pep Guardiola montou o maior time deste século sob o conceito de priorizar a posse de bola, com paciência para trocar passes até achar os espaços para finalizar. Raros eram os cruzamentos ou alguma ação que colocasse o controle do jogo em risco, até mesmo chutes de fora da área. Esse foi o incrível Barcelona, modelo do futebol moderno, que se estendeu até a seleção espanhola, campeã mundial e bicampeã europeia.

No Bayern desde a temporada passada, Guardiola implementou o ‘tiki-taka’ com a intenção de melhorar o que já era excelente. Logo de cara, os bávaros se apresentaram na maneira de jogar do treinador, mas ao longo da caminhada, em alguns momentos foi preciso recorrer às táticas do antecessor Jupp Heynckes: jogo mais vertical e cruzamentos na área quando necessário. Foi assim, sobretudo nas quartas de final da Uefa Champions League diante do Manchester United. Nas duas partidas, o Bayern saiu atrás no placar e evitou o prejuízo em jogadas aéreas ou verticais.

O que era um sinal virou um pesadelo. Eliminação catastrófica na fase seguinte para o Real Madrid (4 a 0 para os espanhóis dentro da Allianz Arena) e toda uma filosofia colocada em xeque. Paralelamente, o Barcelona deixou de ser protagonista no cenário europeu, e a seleção espanhola deu vexame na Copa do Mundo.

A atual temporada começa diferente. Nesta quarta-feira contra o Manchester City foi uma prova clara. A posse de bola seguiu maior (58% a 42%), com 575 passes trocados (85,4 por cento de acerto). Mas o ‘apelo’ para as jogadas aéreas também se deu com frequência (22 cruzamentos), além de alta quantidade de lançamentos longos, a maioria deles com a precisão peculiar de Xabi Alonso, substituto de Toni Kroos.

O Bayern enfrentou um dos concorrentes pelo título, venceu e mereceu. Está em processo de mudança, e crescerá assim, sem abandonar o toque de bola, ainda uma fortíssima arma. Mas diferente, vertical e objetivo.

Foto: Getty Images



Estudante de jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie e alucinado por futebol.