10 momentos que te fizeram sentir orgulho de ser palmeirense

Getty Images

O Palmeiras é um clube que abusa da paciência de seu torcedor. Mas o verdadeiro palmeirense se mantém firme mesmo com as crises vividas nos últimos 15 anos. Para isso, é importante recordar os momentos que mais fizeram o fanático alviverde sentir orgulho da camisa do time, considerado com o campeão do século 20.

LEIA MAIS
Confira as 5 coisas que Dorival já mudou no Palmeiras
Quem é o campeão dos campeões no futebol brasileiro?
Veja fotos mais recentes do Allianz Parque, o novo estádio do Palmeiras
10 erros que Paulo Nobre já cometeu no comando do Palmeiras

Títulos, craques, vitórias inacreditáveis, momentos de superação. A história centenária do Palmeiras é recheada de cenas que jamais sairão da memória de seus torcedores.

Fundado em 1914 como Palestra Itália, o clube teve que alterar seu nome por causa da Segunda Guerra Mundial. O Brasil, então comandado pelo presidente Getúlio Vargas, se posicionou entre os Aliados, ao lado dos Estados Unidos, União Soviética, Reino Unido, França, China e Polônia.

No outro lado, os inimigos Itália, Alemanha e Japão formavam o Eixo. Com isso, o Brasil declarou guerra a esses três países e ainda baixou um decreto tirando as propriedades de organizações com ligações com essas nações. Para não perder seu estádio e sede, o Palestra Itália virou Palmeiras. Era apenas o ressurgimento de um clube cuja história emociona seus torcedores.

Confira abaixo os 10 momentos que te fizeram sentir orgulho de ser palmeirense

1) “O Palestra morreu líder, e o Palmeiras nasceu campeão”

Créditos: Divulgação/Palmeiras
Créditos: Divulgação/Palmeiras

Correndo o risco de ser extinto, perder seu estádio e alvo de provocações e discurso de ódio, o Palestra Itália teve que virar Palestra de São Paulo e, depois, Palmeiras. Isso no meio do Paulistão de 1942. A estreia com o nome atual veio justamente na rodada que decidiu o título a favor do alviverde. E logo contra o São Paulo, com direito a ver o rival abandonar o campo antes do fim do jogo.

2) Título mundial de 1951

Créditos: Divulgação/Palmeiras
Créditos: Divulgação/Palmeiras

O futebol brasileiro vivia um descrédito absoluto com a população após a traumática derrota para o Uruguai na decisão da Copa do Mundo de 1950, em pleno Maracanã. Pois foi nesse mesmo estádio que o orgulho nacional voltaria a existir, quando o Palmeiras bateu a Juventus no placar agregado e foi campeão da Copa Rio, considerada pela imprensa e torcedores da época como o primeiro título mundial de clubes.

3) O time que parava o Santos de Pelé

Entre 1958 e 1969, o auge da Era Pelé no Santos, apenas um time foi capaz de parar o Peixe no Campeonato Paulista, considerado por muitos da época como o torneio mais importante do ano. Era o Palmeiras, campeão estadual por três vezes em uma época marcada pelo melhor time da história do futebol mundial vestindo a camisa do clube da Vila. Para o Verdão, era a primeira Academia fazendo história.

4) Representou a seleção brasileira

Reprodução/Site do Palmeiras
Reprodução/Site do Palmeiras

O Palmeiras foi o primeiro clube a vestir a camisa da seleção brasileira em uma partida. O time foi convidado para representar a CBD (antigo nome da CBF) em um amistoso internacional contra o Uruguai, no Mineirão, que estava sendo inaugurado naquele setembro de 1965. E venceu, por 3 a 0. O jogo ainda teve um fato histórico a mais: Filpe Núñez, treinador argentino do Palmeiras, comandou a seleção brasileira e se tornou o até agora único estrangeiro a conseguir o feito.

5) Academia de Futebol dos anos 1970

camisa academia

A segunda Academia de Futebol ganhou o Brasileirão duas vezes nos anos 1970, três vezes o Paulistão, e encantou o Brasil com sua forma de jogar. O apelido, aliás, que surgiu com a geração dos anos 1960, vinha exatamente do fato de a imprensa considerar que o Palmeiras “dava aula” em campo. E que palmeirense com mais de 50 anos não se lembra da histórica escalação? Leão, Eurico, Luis Pereira, Alfredo e Zeca; Dudu e Ademir da Guia; Edu, Cesar, Leivinha e Nei. É muito orgulho.

6) Manteve o Corinthians na fila histórica de títulos

O Corinthians não ganhava nenhum título desde 1954 quando chegou à final do Paulistão contra o Palmeiras, exatamente 20 anos depois. Era a chance histórica de quebrar o jejum contra o maior rival. Mas, depois de um empate no primeiro jogo, o Verdão venceu o segundo por 1 a 0 e aumentou a agonia do time alvinegro. Para completar, a torcida ainda provocou os corintianos com a nova idade do tabu. “Zum, zum, zum, é 21!”.

7) Saiu da fila com uma goleada no rival

Se o Corinthians se orgulha do fim do tabu de 23 anos sem títulos após uma vitória sofrida sobre a Ponte Preta, o Palmeiras pode dizer que seu jejum de conquistas acabou de forma muito mais simbólica. O Verdão venceu o Corinthians na final do Paulistão de 1993, no Dia dos Namorados, pelo histórico placar de 4 a 0.

8) O surgimento de um Santo

Defesas de Marcos

Nas quartas de final da Libertadores de 1999, o goleiro Marcos tinha a missão de substituir Velloso, lesionado, em mais um duelo decisivo. Já havia feito grandes defesas na fase anteror, contra o Vasco. Agora, o rival seria o Corinthians. O Palmeiras venceu por 2 a 0 o primeiro jogo, mas perdeu o segundo pelo mesmo placar. Nos pênaltis, Marcos fez história e ajudou o Verdão a eliminar o arquirrival e avançar rumo ao título inédito.

9) Campeão da América

Créditos: Divulgação/Palmeiras
Créditos: Divulgação/Palmeiras

Com Marcos, Paulo Nunes, Oséas, Euller, César Sampaio, Arce, Felipão, e tantos outros como ídolos, o Palmeiras chegou ao título da Libertadores em 1999. Bateu o Deportivo Cali em uma final emocionante no Palestra Itália. Era consagração de uma era que deixou saudades nos torcedores. E deu muito orgulho de ser palmeirense.

10) Cai no campo, sobe no campo

Getty Images
Getty Images

O Palmeiras foi rebaixado duas vezes para a Série B do Brasileirão. Isso é motivo de vergonha, claro. Mas, em ambas as oportunidades, o clube subiu no campo, sem ajuda de tribunais, pontos retirados de adversários, arbitragens, etc. E, na primeira delas, o clube ainda viu o goleiro-ídolo Marcos rejeitar o Arsenal, da Inglaterra, para ficar e jogar a segundona. É muito orgulho.



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016. Também colabora com o ONDDA, site "irmão" do Torcedores.com.