Vasco passa pela Ponte e está nas oitavas da Copa do Brasil

vasco

O Vasco recebeu a Ponte Preta em São Januário em um noite fria no Rio de Janeiro. Jogando com lentidão e contando com o erro do adversário, o Gigante da Colina venceu por 2 a 1 e confirmou a sua classificação para as oitavas de finais da Copa do Brasil.

Com muitos erros de ambos os lados, Vasco vence na etapa inicial

A partida, como de praxe, começou amarrada. O Vasco trocava passes com tranquilidade no meio campo, mas quando ultrapassava a linha divisória tinha dificuldades, pois a marcação da Ponte Preta se tornava mais intensa. Com a bola, a Macaca conseguia sair em velocidade, entretanto, a falta de qualidade era visível no time de Campinas e as investidas se mostravam infrutíferas.

O primeiro lance de perigo do duelo saiu dos pés vascaínos e justamente de seu atleta mais lúcido em campo, Douglas. Aos 11 minutos, o camisa 10 recebeu passe no bico da área pela direita, ajeitou e arriscou chute colocado, mas a bola saiu a direita de Roberto. Aos 16, Thalles recebeu boa invertida da direita, arrumou espaço e tentou chute de fora da área que Roberto defendeu sem dificuldade.

Mesmo desajeitado, o Vasco cresceu na partida e foi recompensado com um pênalti duvidoso sofrido por Dakson. Sem ter nada com isso, Douglas ajeitou a bola e, aos 20, deslocou Roberto, abrindo o marcador a favor do clube carioca.

Atrás no placar, a Ponte não se abateu com o resultado adverso e tentou responder logo na sequência. Sem conseguir entrar na área vascaína, porque sempre errava no último passe, a Macaca optou por arriscar chutes de fora da área, mas a qualidade era muito baixa, tanto que a melhor finalização foi do lateral Daniel Borges que não ameaçou Martin Silva. Além disso, o time do técnico Guto Ferreira tentou jogadas pelos flancos com Rossi, atacante que entrou ainda na etapa inicial, porém, a bola não passava do arqueiro cruzmaltino.

Ainda assim, foi o Vasco quem continuou a criar as melhores chances, embora estas não tenham levado tanto perigo. Aos 30, Kléber recebeu passe dentro da área e chutou fraco, para a defesa de Roberto. Aos 34, Thalles recebeu bola em profundidade, mas ficou sem ângulo e concluiu nas mãos do arqueiro pontepretano, assim como Douglas Silva, aos 36, em cabeçada sem força.

Senhor da partida, o excesso de confiança acabou prejudicando o time vascaíno. Rodrigo tentou sair jogando aos 38, mas perdeu a bola para Cafu que arrancou e, mais rápido, ficou diante de M. Silva. Com calma, o garoto de 23 anos deu um lindo toque por cima do goleiro uruguaio e empatou o duelo.

O empate era o placar mais justo pelo que tinha sido produzido até ali em São Januário. O Vasco criara mais chances, contudo, com a exceção do gol de Douglas em cobrança de pênalti, não assustou Roberto. A Ponte Preta, por sua vez, também não fez muito por merecer a igualdade, mas aproveitou a única oportunidade clara que teve.

Não obstante, o duelo das faixas não se trata de uma partida em que as duas equipes se destacam pelo primor técnico. Os gols, tanto do jogo da ida, quanto da volta, foram mais frutos de erros defensivos do que qualquer outra coisa. Sendo assim, aos 41, o atacante Rafael Costa tentou ajudar a defesa em cobrança de escanteio, mas, de cabeça, acabou marcando contra e recolocando o Vasco em vantagem.

Segundo tempo sem gols e classificação do Vasco garantida

No segundo tempo, o Vasco voltou melhor com a entrada de L. Crispim no lugar de Kléber. Mais veloz, o time da casa começou em cima da Ponte Preta e assim criou boa chance com D. Renan, mas o chute cruzado do lateral foi defendido com segurança por Roberto.

Com o passar dos minutos, a Ponte se estabilizou e tentou responder aos ataques cruzmaltinos com Rossi e Cafu, todavia, a bola foi castigada com chutes que passaram muito longe da meta de M. Silva.

Aos 20 minutos, o Vasco tentou pôr fogo na partida novamente. Rodrigo cobrou falta com força e Roberto espalmou. No rebote, L. Crispim cruzou para Fabrício que, de cabeça, carimbou o travessão da Ponte Preta, animando a torcida vascaína presente no estádio.

A Ponte Preta não abaixou a cabeça e continuou tentando empatar a partida. Aos 23, R. Costa fez boa jogada em cima de D. Renan e cruzou para Rossi, que chutou forte sobre o gol de M. Silva. Aos 27, Dakson respondeu pelo Vasco e, valendo-se de uma bobeada da defesa, arriscou chute cruzado e Roberto defendeu. Aos 31, o meia voltou a ter boa oportunidade que desperdiçou chutando pela linha de fundo.

Nos últimos quinze minutos, o ritmo da partida caiu e as chances de gol ficaram condicionadas às bolas paradas. Aos 40, Rossi sofreu falta na entrada da área e cobrou com maestria, mas a bola passou por sobre o gol do Vasco. Aos 46, Rodrigo teve mais uma chance de se redimir e, cobrando falta com força, obrigou Roberto a fazer defesa com segurança.

FICHA TÉCNICA

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data-hora: 30/7/2014 – 22h
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL)
Auxiliares: Fábio Ferreira (TO) e Cleriston Clay (SE)
Renda/Público: R$ 153.500/ 7.024 pagantes
Cartões amarelos: Daniel Borges, Luan, Alexandro, Magal e Montoya.

GOLS: Douglas (18’/1ºT), Cafu (38’/1ºT) e Rafael Silva (contra) (41’/1ºT)

VASCO: Martin Silva, Carlos César, Rodrigo, Douglas Silva e Diego Renan; Fabrício, Guiñazú, Dakson (Montoya – 32’/2ºT) e Douglas; Thalles (Edmilson – 42’/2ºT) e Kléber (Lucas Crispim – Intervalo) – Técnico: Adilson Batista.

PONTE PRETA: Roberto, Daniel Borges, Luan, Raphael Silva e Magal; Adilson Goiano, Alef (Rossi – 24’/2ºT), Juninho e Adrianinho (Rodolfo – Intervalo); Cafu e Rafael Costa (Alexandro – 24’/2ºT)- Técnico: Guto Ferreira.

Foto: Marcelo Sadio/Vasco.com.br