Opinião: Vasco já é um novo time após a Copa

salários
Crédito da foto: Getty Images

A parada dos times brasileiros para a Copa do Mundo significou a oportunidade de muitas equipes colocarem a casa em ordem, como é o caso do Vasco. Nestes aproximadamente 40 dias sem jogos oficiais, o Gigante da Colina treinou bastante e, após o Mundial, os frutos do trabalho já começam a aparecer.

Os resultados em si podem até não ser aquilo que o torcedor espera, embora em três partidas a equipe tenha obtido 2 vitórias e 1 empate, mas o futebol demonstrado nestes duelos é diferente do que se via até o início de junho. Depois da Copa do Mundo, o Vasco parece um novo time.

Menos posse de bola

Estatisticamente, o Cruzmaltino está ficando menos com a bola nos pés. Antes da Copa, a média de posse de bola do time estava na casa dos 60%, contudo, nos 3 jogos feitos até agora está em aproximadamente 56%.

O fato se deve a nova postura tática da equipe, que busca se desgastar menos e retirar o adversário do seu campo de defesa. Para isso, às vezes, é necessário deixar o outro time sair para o jogo, o que implica em reduzir esse número.

Mais troca de passes

Por outro lado, o Vasco está trocando mais passes agora do que fazia antes. A consolidação de um meio campo técnico, comandado por Douglas e Fabrício, foi determinantes para alcançar tal quadro.

Até a Copa do Mundo, a média de trocas de passes da equipe era de 370 por partida, com aproximadamente 92% de aproveitamento. Atualmente, este número subiu para mais de 450 com o mesmo índice de acertos.

A pontaria também melhorou

Os chutes a gols também melhoraram, o que se reflete nos 7 gols marcados em 3 partidas. Não é que o Vasco esteja chutando mais, pois a média de 13 finalizações por partida permanece intacta, porém, o alvo tem sido mais acertado.

Outrora, o Gigante da Colina acertava apenas 2 a cada 5 chutes na direção do gol, gerando um aproveitamento de 40%. Hoje, esses valores estão diferentes, pois dos 38 chutes desferidos contra Santa Cruz, América-RN e Ponte Preta, 20 tiveram o endereço certo e 7 deles foram parar no fundo das redes.

Dificuldade em sair jogando ainda é um problema

Mas, nem tudo são flores, porque o time ainda tem graves problemas, sendo a dificuldade em sair jogando com a defesa o principal deles. Enquanto o meio campo é composto por jogadores de boa técnica, a zaga, sem Rodrigo, não apresenta as mesmas qualidades.

Luan e Douglas Silva demonstram alguns problemas quando precisam iniciar as jogadas vascaínas e recorrem a “chutões”lançamentos que nem sempre dão certo. Soma-se a isso, a falta de profundidade em certas jogadas ofensivas do cruzmaltino, indicando os pontos principais em que Adilson Batista precisa trabalhar.

Quadro atual

No geral, o Vasco está muito melhor do que antes da Copa. O time está mais bem distribuído em campo, seguro do que está fazendo e com uma proposta de jogo coerente. Os laterais apoiam bastante, mas são resguardados pela trinca de volantes que também dá suporte a Douglas no meio campo. O ataque, apesar de não ter um jogador fixo, se movimenta bastante e está sempre em condições de participar ou mesmo concluir as ações ofensivas. A defesa não se mostra exposta e vem fazendo uso inteligente da linha de impedimento, evitando que atacantes mais velozes levem vantagem nos espaços deixados quando o time vai ao ataque.

Crédito da foto: Getty Images