Perfil: Ronda Rousey já bateu em homem e não nega sexo antes de lutas

Ronda Rousey
Reprodução/Instagram

A norte-americana Ronda Rousey é a mulher a ser batida no UFC. Aos 27 anos, a campeã dos pesos galos feminino (61 kg) acumula 10 vitórias em 10 lutas no MMA. Considerada, ao mesmo tempo, sexy e arrogante, no melhor estilo bad girl, “Rowdy” (apelido que significa “encrenqueira”) tem cenas não muito bonitas e até mesmo curiosas no passado.

Primeiro de tudo: importunar Ronda no cinema não é uma boa ideia. Ela já bateu em dois homens porque a namorada de um deles colocou os pés na poltrona em que ela estava. A lutadora atirou a bota da mulher no meio da sala, o que causou a briga com o rapaz e o amigo. “O namorado da menina me encarou e disse que eu tinha que ir buscar a bota. Então eu disse: ‘ela que busque a bota e sua educação também’. Tentei sair e ele me empurrou para trás. Eu estava pensando em como deixar aquele lugar da melhor maneira, mas teria que fazer algo a respeito. Tentei sair de novo e ele me empurrou. Eu o agarrei pela camisa e comecei a bater com uma mão. Deixei o cara cair no chão e lancei o amigo por cima do meu ombro”, contou.

Segunda coisa: Ronda também não nega sexo antes das lutas. Ela já admitiu em entrevistas que tenta ter o máximo de relações antes dos combates. Ou seja, nada de abstinência para ela. “Não é que saio fazendo com qualquer um, eu não coloco nenhum anúncio em classificados. Mas se estou mais séria com alguém, eu já fico, tipo, ‘cara, a hora da luta está chegando’”, explicou.

A revista “New Yorker” publicou um extenso perfil da campeã das mulheres no UFC. Entre as revelações, estão o fato de que Ronda desenvolveu bulimia quando era adolescente. Ela também quebrou o pulso da mãe, a judoca AnnMaria De Mars.

Destaques
Ronda Rousey bate em dois homens no cinema e quase vai presa
Ronda Rousey fala que sonha em lutar no Rio; assista
Mercenários 3 lança trailer com Ronda Rousey; assista
Ronda Rousey virá ao Brasil para divulgação de filme
Depois de dominar UFC, Ronda Rousey quer Hollywood

Assim como a mãe, Ronda iniciou no mundo das artes marciais no judô, aos 11 anos, depois de praticar natação. Ela costumava lutar na divisão de 63 kg. Mas tinha problemas em se manter no peso exigido pelo tempo necessário – no UFC, as pesagens são feitas na véspera das lutas e não no dia. Somada às crises da adolescência, a futura campeã desenvolveu bulimia.

Isso a levou a subir para a divisão dos 70 kg. Ali, ela deslanchou e ganhou a medalha de bronze nos Jogos Olímipicos de Pequim, na China, em 2008.

Ronda também costumava treinar com a mãe. Mas um dia, AnnMaria De Mars deixou de praticar com a filha. Ronda se descobriria, anos mais tarde, que o motivo foi pelo fato de ter machucado a mãe durante um treino. Difícil imaginar a cena, já que, segundo Ronda, a mãe a acordava sempre com chaves de braço para mantê-la “sempre alerta”.

Depois da medalha olímpica, Ronda deixou o judô para se dedicar às artes marciais mistas. Desde então, ela construiu uma carreira consolidada em chaves de braço relâmpago e um modo de agir que divide opinões. Ao mesmo tempo que tem fãs, Ronda é considerada arrogante por muita gente. Segundo ela, tudo não passa de autoconfiança:

“Quando as pessoas dizem que sou arrogante, isso me espanta, porque briguei muito para desenvolver a autoconfiança que tenho agora”, disse a campeã.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.