Retrospecto recente do Grêmio favorece Felipão

Getty Images

O Grêmio buscou em seu DNA um novo treinador e, no início da tarde desta terça-feira, anunciou o retorno de Felipão, 18 anos longe do Tricolor.

Mesmo após o insucesso no Campeonato Brasileiro, pelo Palmeiras, e da vexatória e histórica derrota por 7 a 1 para a Alemanha, na Copa do Mundo, o técnico seguiu prestigiado para assumir um grande trabalho. E o Imortal tem um histórico recente favorável ao bigodudo.

Em 2012, Caio Júnior iniciou a temporada como treinador gremista. Contudo, em fevereiro, a direção tricolor optou por demiti-lo e, para o lugar, chegou Vanderlei Luxemburgo. Sem participar da pré-temporada, o treinador levou o clube à Libertadores. Na Copa do Brasil, parou na semifinal, justamente diante do Palmeiras de Felipão.

Já em 2013, Luxa pôde iniciar um projeto, mas sem o mesmo sucesso do ano anterior. Com isso, saiu para o retorno de Renato Portaluppi. Ele também não comandou o time na pré-temporada, nem na pausa para a disputa da Copa das Confederações. Mesmo assim, o ídolo tricolor deu competitividade à equipe em meio aos campeonatos, barrou medalhões e levou o Imortal de volta ao principal torneio das Américas.

Para este ano, a aposta foi em Enderson Moreira. O início promissor deu esperança, mas o técnico também padeceu quase sete meses após a chegada. Agora, Felipão, sem ter participado da montagem do elenco, assume o Tricolor.

Felipão tem a alma gremista e nunca escondeu o fato. Contudo, precisa tomar cuidado: as histórias no Palmeiras e na Seleção Brasileira são riquíssimas e vitoriosas, mas foram manchadas com fracassos históricos.

A apresentação do treinador ocorrerá nesta quarta-feira, às 11h, na Arena. A esperança da torcida é a de que o sucesso recente se mantenha e haja o resgate aos anos vitoriosos. “Boa sorte, Felipão”, é o que deseja a torcida gremista.

Crédito da foto: Getty Images



Aficionado por futebol, escreve sobre o Grêmio "para o que der e vier". Não tece comentários bebendo vinho, mas sempre coloca o Mundial no caminho. Trarei a visão não-regionalizada do Imortal. Curta, compartilhe e comente.