Para Tite, restou o chimarrão e a TV

O técnico Tite tinha tudo para ser o novo comandante da seleção brasileira. Mas perdeu o cargo para Dunga, que voltará a dirigir o time do Brasil depois do fracasso na Copa do Mundo de 2010. Não dá nem para falar em concorrência, afinal, não houve consulta ao ex-técnico corintiano. Agora, o que sobrou para ele? O chimarrão e a TV, para continuar assistindo aos jogos, seja do Timão, ou de equipes da Europa.

Tite chegou a negociar com a seleção japonesa. Mas nem lá deu certo. Quem foi escolhido para substituir o italiano Alberto Zaccheroni foi o mexicano Javier Aguirre.

Nem Brasil, nem Japão. Tite deve seguir “exilado” desde que saiu do Corinthians, no fim do ano passado. Não faltaram propostas para ele, que resolveu aguardar o chamado da selecção brasileira. Pobre Tite.

Gaúcho que se preza, nascido em Caxias do Sul, Tite terá de se habituar à nova rotina. Nada que churrascadas (ele já afirmou, em entrevista, que é bom de “churrascabilidade”), caipirinhas e cuias cheias de chimarrão não resolvam. Enquanto isso, pode esperar pelo futuro da selecção brasileira. Se Dunga não conseguir arrumar a casa, por que não sonhar com uma nova chance? Aconteceu com Mano Menezes, que o substituiu no Corinthians. O Timão, aliás, é outra possibilidade. O problema é que Mano Menezes está indo bem.

Se nada der certo, Tite pode dar um telefonema para Luiz Felipe Scolari. Também gaúcho, Felipão ficou nervoso com Tite depois do episódio do “fala, muito”, quando eram rivais por Palmeiras e Corinthians, respectivamente. Boa chance de confraternizarem e conversarem sobre a vida. E, quem sabe, futebol em outras praças. Felipão tentou a sorte no Uzbequistão. Tite já foi treinador nos Emirados Árabes. Paraíso financeiro para atletas e técnicos brasileiros, o Oriente Médio sempre será uma oportunidade. É bom Tite preparar um estoque de erva-mate e chimarrão. Vai que o telefone toca com um sotaque árabe…

Foto: Getty Images



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.