Opinião: Palmeiras perdeu o Derbi. E mereceu

Palmeiras

Durante os 90 minutos, o Palmeiras não deu um único sinal de que poderia, ao menos, igualar a partida contra o Corinthians. Ao final das contas, os dois gols a favor do rival ficou dentro da normalidade porque, a realidade, é que o Palmeiras merecia uma goleada.

O Jogo Ricardo Gareca azeitou o time para o clássico dentro do que era possível. Sem Lúcio (machucado), Diogo e Eguren (machucados pela 10992901ª vez), William Matheus (vendido ao Toulouse-FRA) e Juninho (repassado ao Fluminense), Marcelo Oliveira foi para a zaga com Victor Luis, que fez uma boa partida contra o Avaí, saíram jogando na defesa.

LEIA MAIS
Corinthians vence o clássico e afunda o rival
Veja piadas sobre a vitória do Corinthians diante do Palmeiras

No meio, Renato, Wesley, Mendieta e Felipe Menezes, que ganhou a posição somente pelo fato de que marcou os dois gols na quarta-feira, porque não tem bola para jogar nem na Série D, formaram o meio campo com Mouche e Henrique na frente. Em tese, era uma boa formação, porque Leandro e Bruno Cesar não estão rendendo – Leandro tampouco, joga com o nome desde o fim da Série B no ano passado. E, mesmo assim, o time rendeu pouco. Muito pouco. Foi medroso, covarde. E o Corinthians, no frigir dos ovos e no popular, demorou muito para fazer o gol. Foi uma blitz, um passeio, um atropelamento do rival.

O gol de Guerrero, com jogadaça de Elias foi a prova. Ele entrou como quis e tirou o zagueiro Tobio com uma gingada de corpo e deu passe para o peruano chutar na saída do goleiro, sem nenhuma chance de defesa. Goleiro este, Fábio, foi o único que se salvou no desastre que foi a partida de hoje. Fez seis defesas na partida e evitou uma goleada maior. E se mostra com falta de sorte, porque o segundo gol é digno de tal alcunha. O chute de Petros explodiu em suas costas no fechamento do caixão palestrino no jogo de hoje. Gareca precisa urgentemente arrumar o time. Uma pena que tem por detrás uma diretoria incompetente e fraca, que prefere apostar no ‘possante’ Henrique, que tem dois pés direitos, não corre, não marca, não pressiona, ou seja, um inútil.

Exerce o direito de compra em um jogador abaixo do razoável (Leandro) e, do alto de sua soberba, não acredita que fazer o investimento em bons centroavantes que já estavam no elenco (Barcos e Alan Kardec) seja a coisa certa a se fazer. Palmeirenses, comecem as suas preces, porque, esse ano, só rezando.

FICHA TÉCNICA CORINTHIANS 2 X 0 PALMEIRAS

Local: Itaquerão Data: 27 de julho de 2014, domingo Horário: 16 horas (de Brasília) Árbitro: Sandro Meira Ricci (Fifa) Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP)

Gols: Paolo Guerrero, Petros Cartões amarelos: Guerrero / Wendel e Henrique

Corinthians: Cássio; Fagner, Gil, Cleber e Fábio Santos; Ralf, Elias, Petros e Renato Augusto (Danilo); Guerrero e Romero (Romarinho) Técnico: Mano Menezes

Palmeiras: Fabio; Wendel, Tobio, Marcelo Oliveira e Victor Luis; Renato, Wesley e Felipe Menezes; Mouche, Mendieta (Leandro) e Henrique (Erik). Técnico: Ricardo Gareca

Foto: getty Images