Opinião: Real Madrid estraga o futebol ao supervalorizar James Rodríguez

James
Getty Images

Artilheiro da última Copa do Mundo com seis gols, um deles eleito pela Fifa o mais bonito da competição. Esse é o currículo que transformou o meia colombiano James Rodríguez em um dos jogadores mais caros da história do futebol mundial.

Antes de brilhar com a camisa 10 colombiana na Copa, o ex-jogador do Monaco era um ilustre desconhecido para boa parte da torcida e até da mídia especializada.

Bastaram cinco, isso mesmo, cinco bons jogos na Copa para o jogador, que também passou sem muito brilho pelo Porto, de Portugal, despertasse a cobiça do Real Madrid.

O clube espanhol, famoso por rasgar dinheiro em contratações questionáveis, não hesitou em supervalorizar o passe do garoto de 22 anos, e desembolsou cerca de R$ 220 milhões para levar o jogador à Espanha.

DESTAQUE
Quem sobe e quem desce com a volta de Dunga?

A contratação de James por valores tão altos é um mal para o futebol mundial. James não figura, nem de longe, entre os principais jogadores do planeta, apesar da ótima Copa, e sua supervalorização tende a transformar outros atletas simplesmente medianos em estrelas, pelo menos no preço.

James Rodríguez carregará nas costas o peso de mostrar que vale o quanto pesa, ou melhor, o quanto pagaram por seu futebol. Pelo bem do esporte que mais amantes têm no planeta e pela lisura das futuras transações.

Se repetir o desempenho apresentado no Banfield, da Argentina, no Porto e até no Monaco, seu último clube, o valor pago pelo Real continuará causando estranheza e levantando suspeitas.



Apaixonado por futebol e esportes em geral.