Opinião: Corporativismo de ex-jogadores é o que mais atrapalha progresso da Seleção

Dunga

Durante os dias entre a saída de Luiz Felipe Scolari da Seleção Brasileira e o anúncio de Dunga para o cargo de treinador, muito se falou da possibilidade de que um estrangeiro assumisse o posto. Vários motivos foram colocados: a necessidade de uma “reciclagem” no futebol do país, conceitos mais modernos de  futebol nova mentalidade de gerenciamento… Mas grande parte dos ex-atletas se mostrou contrária. Ou seja: o corporativismo atrapalhou a Seleção.

É claro que não foi esse o principal motivo que levou Dunga a voltar para a Seleção após ter sido chutado da CBF depois da eliminação nas quartas de final da Copa do Mundo de 2010, quando o Brasil perdeu para a Holanda por 2 a 1. Mas, questionados por diversos jornalistas (eu, inclusive), a maioria dos ex-jogadores do Brasil foi unânime: há bons nomes aqui no país. Quem, eu perguntava? A maior parte das respostas se concentrou em dois nomes: Tite e Muricy Ramalho. Como sabemos, nenhum dos dois teve a chance.

E não foram quaisquer ex-atletas que disseram isso. Gente do quilate de Jairzinho, Piazza (que participaram da conquista do tricampeonato da Seleção na Copa do Mundo de 1970), Ademir da Guia, até mesmo Joel Santana – ironicamente, foi técnico estrangeiro na África do Sul e em Angola. Gente que, na minha opinião, não teria peso para mudar a decisão de José Maria Marin e Marco Polo Del Nero, caciques da CBF. Mas que poderia representar voz contrária ao que vem acontecendo no poder do futebol nacional.

Uma pena. Desejo todo o sucesso a Dunga, embora não acredite que ele conseguirá fazer um trabalho melhor do que Tite. E muito menos do que Pep Guardiola, José Mourinho ou Jürgen Klopp. Logicamente que um estrangeiro não seria, talvez, a salvação da lavoura. Seria passível de erros. Impossível garantir que Guardiola, por exemplo, garantiria o hexa para a Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2018. Mas seria uma tentativa válida, inovadora e daria uma oportunidade ao novo. Chance perdida pela CBF. Pobre futebol brasileiro…

A Seleção já tem compromisso em setembro, contra a Colômbia, em Miami (Estados Unidos). É bom Dunga mostrar que pode convencer os críticos de que, no Brasil, há sim bons técnicos.

Foto: Getty Images



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.