Mercado da bola: Flamengo faz as contas para fechar com Robinho

O destino de Robinho deve mesmo ser o futebol brasileiro. Se o Santos acha que a pedida salarial do atacante é muito alta (cerca de R$ 900 mil livres de impostos), o Flamengo busca parceiros para bancar o Rei das Pedaladas na Gávea.

A ideia é ter Robinho por empréstimo. Ele está perto de trocar o Milan pelo Orlando City, clube dos Estados Unidos que fechou com Kaká e o emprestou ao São Paulo. A negociação com o time americano é relativamente simples. O problema é pegar o salário do jogador.

Mas o Rubro-Negro tem um plano. Dividir os R$ 900 mil mensais de Robinho em três partes. O Flamengo pagaria uma delas. As demais seriam custeadas por parceiros, sejam patrocinadores ou até torcedores ilustres. Caso consiga o dinheiro, a tendência é que Robinho vá mesmo para o Rio e jogue lá pelos próximos cinco meses. A liga norte-americana de futebol começa apenas no ano que vem, portanto, ele teria até o fim de dezembro para justificar o investimento.

“Um plano comercial foi montado pelo competentíssimo vice-presidente de marketing, Luiz Eduardo Batista, o nosso Bap. A ideia inicial era localizar três empresas, cada uma delas arcando mensalmente com trezentos mil reais, durante os cinco meses de contrato e, em contrapartida, teriam como benefícios, durante o mesmo período, a imagem do jogador e itens outros cedidos pelo Flamengo”, escreveu o ex-presidente do clube, Kleber Leite, em seu blog. Em tempo: Kleber foi o responsável pela contratação de Romário junto ao Barcelona, em 1995.

“Tomara que esta historinha tenha um final feliz. Robinho, aos 30 anos, seria um extraordinário reforço. Muito mais que um reforço, Robinho poderia ser o ídolo, absolutamente fundamental a um clube popular”, completou.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.