James Rodriguez tentará acabar com a “maldição” da camisa 10

Getty Images

Já é de praxe o Real Madrid contratar grandes jogadores por um caminhão de dinheiro e não foi diferente nesta temporada. James Rodriguez foi contratado por 80 milhões de euros. Mas o colombiano além de jogar com a pressão de estar no Real Madrid, ainda tentará tirar uma “maldição” que assombra a camisa 10 desde os tempos de Luís Figo.

Quando o português saiu do clube em 2005 para jogar na Inter de Milão, a equipe merengue não tem dado sorte com seus camisas 10. Tudo começou com Robinho. O brasileiro foi contratado a peso de ouro por 30 milhões de euros, porém não agradou.

Entre confusões com o dinamarquês Gravesen e com o técnico alemão Ben Schuster, o jogador forçou sua saída do clube através de uma coletiva de imprensa. Quando todos achavam que ele iria para o Chelsea, o Manchester City levou Robinho. O “rei das pedaladas” ficou entre 2005 e 2008 no clube e marcou 25 vezes.

Pouca gente pode se lembrar, mas o holandês Sneijder jogou no clube de Madrid entre 2007 e 2009, também sem muito sucesso. No começo ele jogava com a 23 e até começou bem, estreando com gol no clássico contra o Atlético de Madrid. E naquela temporada, ele marcou nove gols e ajudou o Real a levantar o caneco da liga espanhola da época 2007/08.

Quando Robinho saiu do clube, ele assumiu a 10 e também a maldição. A temporada seguinte não foi nem de longe sua melhor. Atrapalhado por uma lesão, acabou perdendo a vaga de titular e saindo no final do Campeonato Espanhol, quando se transferiu para a Inter de Milão. Pelos Merengues ele fez 66 jogos marcando 11 gols.

Quem se lembra de Lass ou Lassana Diarra? Pois é, na temporada 2008/09 o francês chegou do Portsmouth vestindo a camisa 6, mas com a saída de Sneidjer ele assumiu a 10 mesmo sendo um volante. Sempre foi titular e manteve uma regularidade, porém não era aquele jogador clássico que fazia jus a sua camisa.

Em 2011 teve seu nome envolvido em especulações para sair, mas permaneceu na equipe a pedido de Mourinho. Quando Sami Khedira chegou naquela temporada Lass teve que brigar por posição e perdeu a 10 para o Ozil. O francês então recebeu a camisa 24.

No fim, Diarra conquistou o título de campeão espanhol da temporada 11/12 e saiu para o Anzhi Makhachkala. Em quatro temporadas ele fez 87 jogos com apenas um gol marcado.

Mesut Ozil dentre todos deve ter sido o que se destacou com a 10. Chegou em 2010/11 depois de se destacar pela Alemanha na Copa de 2010 e, apesar de ter trocado muitas vezes o número de camisa, quando Van der Vaart saiu ele assumiu de vez a 23. Jogou durante uma temporada com a camisa e jogou muito bem, entre gols e assistências ganhou um título com o número que ficou marcado por David Beckham no Real.

Em 2011/12, Ozil assumiu a 10 e até foi bem, mas não tanto quanto com sua camisa anterior. Seu desempenho foi menor em assistências, mas mesmo com a camisa “amaldiçoada” ele conquistou mais dois títulos. A Copa do Rei e a Supercopa da Espanha. Nos merengues, ele fez 105 jogos com 19 tentos marcados.

O alemão se transferiu em setembro para o Arsenal da Inglaterra, e depois de nove meses sem um camisa 10, o Real Madrid contratou James Rodriguez, mais um atleta que se destacou na Copa do Mundo. Com um contrato de seis temporadas, ele tentará quebrar o tabu da camisa que teve pela última vez um destaque há oito anos.

Crédito da foto: Getty Images



Jornalista. Como todo torcedor também gosto de dar meus pitacos. Fã da seleção italiana, do Milan e do Arsenal.