Mercado da bola: Drogba volta ao Chelsea. Mas ainda pode ajudar?

Reprodução/Twitter

Nem bem havia acabado a Copa do Mundo e o técnico José Mourinho afirmava que o mercado para os Blues estava fechado. O impacto das contratações de Fabregas, David Luiz, Diego Costa e Filipe Luis deixou muito claro quais são os objetivos em Stamford Bridge: o Campeonato Inglês é tratado como obrigação, enquanto a Liga dos Campeões é a grande obsessão de Mou.

Entretanto, o português afirmou que ele gostaria de contar com Didier Drogba em seu plantel. Aos 36 anos, o jogador vem de uma Copa apagada pela Costa do Marfim, mas mostrou bom nível no futebol turco, nas cores do Galatasaray. E nesta sexta-feira, foi oficializado o retorno de Drogba aos Blues por um ano.

A temporada passada foi ruim para os atacantes da equipe londrina. Sempre questionados publicamente por seu treinador, o trio Eto’o, Fernando Torres e Demba Ba não conseguiu engrenar em momento algum, fazendo o time depender excessivamente do ponta esquerda Hazard para marcar os gols da equipe. Daí a vontade do treinador em contar com jogadores diferentes para a posição, e Drogba tem a confiança do português pelo tempo que passaram juntos no mesmo Chelsea.

As saídas já confirmadas de Eto’o e Ba, além do iminente retorno de Torres à Madrid, dão à Mourinho um ataque renovado, com pelo menos um atacante vindo de grande temporada na Espanha. Porém, o risco da contratação de Drogba é de que se repita a frustração ocorrida com Eto’o. O Campeonato Turco está longe de ter o nível técnico da Premier League Inglesa e o marfinense deixou a desejar nesta Copa do Mundo, chegando como a grande esperança da equipe e saindo sem marcar um gol sequer.

Drogba se junta a Diego Costa e Andre Schürrle como opções para o ataque dos Blues. Mas seria arriscado esperar que o veterano chegasse para resolver todos os problemas apresentados pela parte ofensiva do Chelsea na última temporada.

Crédito da foto: Reprodução/Twitter



Formado em Publicidade e Marketing pelo Mackenzie, porém com mestrado em futebol e pós-graduado em futebol americano. Sobrevive com o emprego e vive de esporte.