Atletas e amantes do futebol feminino apoiam o Bom Senso FC

A mídia tem dado grande espaço para a recente campanha encabeçada por Paulo André nas redes sociais com o intuito de aumentar (ou iniciar) a participação pública nas discussões da CBF. Esse movimento recebe um forte apoio das atletas e amantes do futebol feminino. Mais do que nunca, as mulheres se sentem parte da discussão e prontas pra contribuir e reivindicar seus direitos dentro do esporte mais popular do Brasil.

Um exemplo claro dessa nova postura pôde ser visto na última reunião do Bom Senso FC com a presidente Dilma Rousseff, no dia 21 de julho, em que pela primeira vez representantes do futebol feminino também participaram do encontro.

Nos seus perfis, fan pages e comunidades, jogadoras profissionais como Rosana, Thais Picarte e Debinha reforçam a hashtag do ex-zagueiro corintiano e adicionam outras para afirmar o apoio das equipes femininas ao movimento.

Passado meio século do cerceamento vivido pela modalidade no início dos anos 40, esse talvez seja o momento de maior exposição e participação das atletas no cenário esportivo e na própria mídia.

Naquele período a então Sub-divisão de Medicina Especializada brasileira recomendava que se fizesse uma “campanha de propaganda mostrando os malefícios causados pelo futebol praticado pelas mulheres”. Como se não bastasse, em abril de 1941 o Decreto-lei 3.199 afirmava em seu artigo 54 que “às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza”.

[No Brasil, o futebol feminino foi reconhecido como esporte em 1982 e, segundo dados do IBGE, envolve mais de cinco mil mulheres jogadoras atualmente. São mulheres do Brasil inteiro que se dedicam ao esporte. No entanto, até hoje, a discriminação e o preconceito permanecem e elas não têm nenhum direito trabalhista nem previdenciário.]

Felizmente, 2014 tem sido um ano recheado de exposições, seminários e campanhas voltadas para o esporte que um dia já foi intitulado “futebol de saias”. Apenas para citar os que eu mesma acompanhei: exposição Donas da Bola; Espaço Futebol para a Igualdade (RJ); Mesa redonda “Sustain.a.ball – Mulheres no Esporte para um Mundo Sustentável”.

Para completar o ano positivo, no dia 05 de agosto terá início a Copa do Mundo Feminina Sub-20 da FIFA, no Canadá, que contará com grandes seleções como Brasil, Estados Unidos, Alemanha e China. O torneio também servirá como “treino” para o país que no ano seguinte recebe a Copa do Mundo Feminina da FIFA.

A fórmula está clara: juntar-se a quem tem poder de articulação e conquistar espaço nas pautas. O primeiro passo foi dado. Resta manter a postura e construir propostas que efetivamente mereçam ser priorizadas no meio de tantos desafios.

#EuApoio
#OFutebolFemininoApoia
#DemocraciaNaCBFJá