Anderson Silva agradece apoio de fãs e quer ganhar próxima luta

O lutador Anderson Silva voltou! Depois de sete meses de recuperação depois de ter quebrado a perna na luta contra o Chris Weidman e ter causado geral, o lutador brasileiro esta de volta.

Com luta marcada para o próximo ano, Silva sabe que terá de estar muito treinado para conseguir voltar ao ritmo de luta que tinha. Lembrando que Anderson perdeu as duas últimas lutas e pode estar com o psicológico afetado por causa da fratura na perna.

DESTAQUES
Anderson Silva retorna ao UFC contra Nick Diaz em janeiro
Opinião: Combate contra Nick Diaz é boa oportunidade para Anderson Silva definir futuro

Depois de ter confirmada a luta contra o garoto problema do UFC, Nick Diaz, o Spider terá que focar e sair da vida relax e hollywoodiana que esta tendo.

 Nesta quarta-feira o ex-campeão do UFC mandou uma mensagem para seus fãs na sua conta pessoal do Instagram:

“Agradeço a todos os meu fãs do Brasil e do mundo, galera obrigado desde já pela força e apoio de todos vocês.Vou treinar muito como sempre fiz para alcançar um bom resultado. Tenho 39 anos, pai de 5 filhos e uma carreira de sucesso com vitórias e derrotas, já lutei por vários cantos do mundo, levando com respeito e honra o nome do nosso pais.

Acho até que vale lembrar que sou o único atleta de MMA que tem no currículo 4 títulos de campeão do mundo em 4 diferentes eventos mundiais : Schooto , Cage Rage, Unifiquei o título do Pride UFC. Então aqui vai um pouco do que fiz dentro do esporte Recorde profissional de Boxe Total 6 Vitórias 2 Por nocaute 1 Derrotas 1 Por nocaute 1 Cartel no MMA Total 43 Vitórias 39 Por nocaute 20 Por finalização 6 Por decisão 7 Derrotas 6 Por nocaute 2 Por finalização 2 Por decisão 1 Por desqualificação 2 Fiz minha estreia em um torneio na cidade de Lençóis Paulista, em forma de GP, no qual fiz 4 lutas.Uma semifinal antes da final,fui o campeão desse GP, vencendo duas lutas.

Depois disso fiz várias lutas.Lutei em Campo Grande, Joinvile, guarapuava ,Mecca, evento em Curitiba naquela época. Minhas boas exibições no Brasil me deram a chance de fazer várias lutas internacionais. Minha estreia no Shooto foi contra o japonês “Tetsuji Kato”. Venci a luta por decisão unânime. Depois voltei para o Brasil e venci mais algumas lutas no Mecca.Tive minha primeira grande oportunidade de disputar um cinturão de um torneio de grande reconhecimento na época, o Shooto.

Lutei pelo cinturão dos pesos médios do evento, em 2001, contra o japonês Hayato Sakurai e venci a luta por decisão unânime dos juízes.Conquistei o primeiro cinturão em um grande evento de MMA e em seguida fui pro Pride Japão Em 2002, passei a lutar no Pride. Em minha primeira luta, no dia 23 de junho de 2002, venci o americano Alex Steibling por nocaute técnico no primeiro round. Depois fiz mais algumas lutas contra o japonês Alexander Otsuka, na época eu tinha 80 KG , depois lutei com canadense Carlos Newton, ex campeão do UFC.

Captura de Tela 2014-07-30 às 17.15.53

Nessa luta, consegui ganhar com uma joelhada. No Pride 28, enfrentei o japonês Daiju Takase, que conseguiu uma queda logo no início na luta. Consegui ganhar com uma joelhada. No Pride 28, enfrentei o japonês Daiju Takase, que conseguiu uma queda logo no início na luta, e conseguiu me manter no chão até me finalizar Após a derrota para Takase lutei em outros eventos. No Conquista Fight 1, venci o brasileiro Waldir dos Anjos por nocaute técnico. Em 2004, lutei no Gladiator FC, onde enfrentei o lutador Jeremy Horn (ex desafiante de cinturão do UFC). Obtive uma vitória por decisão unânime.

Mais uma vez lutando abaixo do peso. Em 2004, após ter conquistado o cinturão do Cage Rage em cima do inglês Lee Murray, retornei ao Pride para enfrentar Ryo Chonan. Apesar de levar enorme vantagem na luta, fui surpreendido pelo japonês Chonan que conseguiu me finalizar no terceiro assalto após sofrer vários golpes durante a luta. Depois lutei no Hawai contra o japonês Okami no Rumble on the Rock e perdi por desclassificação.

Continuei a lutar no Cage Rage. Em 11 de setembro de 2004, no Cage Rage 8, lutei e derrotei Lee Murray na disputa por decisão unânime dos jurados e conquistei o segundo cinturão de expressão da minha carreira, o cinturão de pesos-médios do Cage Rage. Depois de defender o título no Cage Rage, respectivamente contra Jorge Rivera e Curtis Stout (ambos por decisão unânime ) defendi mais uma vez meu cinturão do Cage Rage, dessa contra o americano Tony Fryklund. Ganhei por nocaute (cotovelada) aos dois minutos do primeiro round . A luta do Cage Rage 16 foi no dia 22 de abril de 2006.

Após essa luta,dei início a minha carreira no UFC, e aí vocês já sabem bem. Em 2006 fiz minha primeira luta no Ultimate Fighting Championship no evento Ultimate Fight Night. No dia 28 de junho de 2006, saí vitorioso sobre Chris Leben, até então invencível, consegui vencer aos 49 segundos do primeiro round, a luta mais rápida da minha carreira. Na época eu era pouco conhecido nos Estados Unidos,depois tive a oportunidade de lutar com o Campeão dos pesos-médios. Após a luta contra Leben, foi feita uma enquete para escolher quem seria meu próximo oponente, a maioria dos votos foi para o até então campeão dos pesos médios, Rich Franklin. No dia 14 de outubro de 2006, no UFC 64, tive a oportunidade de disputar o cinturão. 

Captura de Tela 2014-07-30 às 17.17.44

Campeão dos pesos-médios. Após a luta contra Leben, foi feita uma enquete para escolher quem seria meu próximo oponente, a maioria dos votos foi para o até então campeão dos pesos médios, Rich Franklin. No dia 14 de outubro de 2006, no UFC 64, tive a oportunidade de disputar o cinturão da categoria dos pesos médios no UFC, onde venci no primeiro round Essa luta eu considero como uma das melhores da minha carreira, Em 3 de fevereiro de 2007, no UFC 67, Eu estava programado para lutar contra o vencedor do reality show “The Ultimate Fighter 4” Travis Lutter.

Essa seria a minha primeira luta depois da conquista de cinturão contra Rich Franklin, em outubro de 2006. Contudo, o adversário se apresentou acima do limite do peso da categoria dos pesos médios (84 quilos) e a luta então não foi considerada como a principal. Nessa luta, muitas pessoas acreditavam que a melhor maneira de Lutter ganhar de mim era me botando para o chão. Bom, na época até brinquei com os repórteres falando que eu não era só faxa preta de jiu-jítsu e sim preto por inteiro. Consegui vencer meu adversário prendendo-o com um triângulo, enquanto estava por baixo, no chão.

No meio do segundo round . Na luta seguinte, no UFC 73, em 7 de julho de 2007 defendi com sucesso meu título contra Nate Marquardt, vencendo por nocaute técnico em 4:50 do primeiro assalto. Até então eu já tinha ganhado uma certa popularidade nos Estados Unidos, mas Nate possuía um certo favoritismo, principalmente por causa de sua habilidade de ganhar lutas no chão e por ter ganhado seis lutas seguidas. Três meses depois, no dia 20 de outubro de 2007 no UFC 77 eu lutei uma revanche de defesa do título contra o americano Rich Franklin, em sua cidade natal, Cincinnati. Defendi o cinturão ao derrotar Franklin por nocaute. No dia 1 de março de 2008, no UFC 82, lutei contra o campeão dos pesos médios do Pride Fighting Championships,onde unifiquei os dois títulos (títulos do UFC e Pride).

Tive a felicidade de derrotar Henderson com um mata-leão no segundo assalto. Essa foi pra muitos uma surpresa porque Henderson havia completado as olimpíadas de 1992 e 1996 no estilo da luta greco-romana. Cerca de quatro meses depois, no “UFC Fight Night 4” em 19 de julho de 2008, fiz minha estreia nos meio-pesados contra James Irvin e venci por nocaute no primeiro minuto do primeiro round. Após a unificação dos títulos, em 25 de outubro de 2008 no UFC 90 em Chicago, Eu voltei a defender o título dos médios, desta vez contra Patrick Côté. No terceiro assalto, Côté sentiu dores no joelho após desferir um chute. O árbitro Herb Dean declarou a luta encerrada pois Patrick Côté não poderia continuar a luta, e declarou a minha vitória por nocaute técnico. Após a luta, fui muito criticado por parecer estar desviando contato de Côté. Na época o próprio presidente do UFC, Dana White, censurou a minha atitude falando que não entendi as táticas que tomei durante a luta , e disse :

Captura de Tela 2014-07-30 às 17.16.34

“Esse não foi o Anderson Silva que eu estou acostumado a ver nos últimos dois anos.” No dia 18 de abril de 2009, no UFC 97, lutei e venci Thales Leites por decisão unânime, defendendo o cinturão e obtendo minha nona vitória consecutiva no UFC, recorde do evento. Thales Leites foi o único até então na história do UFC a lutar Comigo os cinco rounds seguidos até a decisão dos juízes. Após a luta, Dana White afirmou que estava “envergonhado” pela minha performance mas que ainda acreditava que eu era o melhor lutador peso por peso do mundo.

No UFC 101, mais uma vez lutei nos meio-pesados, desta vez contra o ex-campeão da categoria Forrest Griffin. Griffin. Fui declarado vencedor por nocaute. Essa é considerada uma das melhores lutas da história do esporte e ganhei na época oprêmio de “Beatdown of the Year” pelo Sherdog.

Em Abu Dhabi, no UFC 112, ganhei do Demian Maia por decisão unânime dos juízes. A luta foi criticada mundialmente pela forma que conduzi o combate e por não ter nocauteado, cheguei a ser advertido pelo juiz . O presidente do UFC Dana White disse que se sentia envergonhado e decepcionado com a apresentação. Depois dessa luta, eu era esperado para lutar contra o americano Chael Sonnen para defender o cinturão mais uma vez. Com cerca de dois minutos restantes, consegui um “armlock” após aplicar um triângulo de perna, forçando o Sonnen a bater, aos três minutos e dez segundos do round 5.

Fui golpeado mais nessa luta do que em toda minha carreira inteira. De acordo com um banco de dados do CompuStrike, em toda minha careira no UFC, Nunca fui golpeado 208 vezes. Somente nessa luta, Sonnen me golpeou um total de 289. De qualquer forma, se tivesse me vencido Sonnen perderia o título, pois foi pego no exame antidoping e suspenso pela Comissão Atlética. Lutei com a costela trincada, contra as recomendações do meu médico. Logo depois de algum tempo, Dana White anunciou que Sonnen teria uma revanche comigo após o problema do dopping, mas Dana White anunciou que Sonnen teria sua revanche depois de ganhar duas lutas seguidas, o que só aconteceu em 2012.

Captura de Tela 2014-07-30 às 17.17.15

Sendo assim, defendi e mantive o cinturão dos médios no UFC 126, que aconteceu no dia 6 de fevereiro de 2011, em Las Vegas, onde eu lutei contra meu compatriota Vitor Belfort. Na cidade do Rio de Janeiro, no UFC 134, dia 27 de agosto de 2011, mais uma vez defendi o título, desta vez contra Yushin Okami, com uma grande vitória. Enfrentei novamente o americano Chael Sonnen, numa revanche ocorrida no UFC 148, dia 7 de julho, em Las Vegas. O clima pré-luta foi tenso. Após eu ter me mantido em silencio sobre todas as críticas de Sonnen nós nos confrontamos.

Bom é isso galera, desculpa o desabafo aqui mas isso é só para algumas pessoas não esquecerem quem eu sou e tudo que fiz pelo esporte e pelo país. São 17 vitórias seguidas e 10 defesas de título consecutivas , algo que fiz com muito amor e dedicação a vocês e as artes marciais. Amo o meu trabalho amo lutar e mais uma vez agradeço as pessoas que me proporcionaram verdadeiras chances de me tornar quem eu sou hoje dentro e fora do esporte.

Obrigado a todos os mestres que tive, aos meus verdadeiros amigos ao longo desta jornada e a todos vocês meus fãs de todo o mundo. Agradeço especialmente a minha tia Edite e ao meu tio Benedito que me criaram com amor e dedicação, meus mestres Rogerio Minotouro e Rodrigo Minotauro, Fábio noguche , Edimar Cirili dos Anjos, Cláudio Dalhadone Jr, Leandro Frates, Diorgenes Asarida, Rafael Cordeiro ,Luiz Doria ,Pedro Rizo, André Xaropinho, André Pederneiras , Sergio Cunha, Mestre Sergipe, Mestre Kang.”

Brittney Palmer x Arianny Celeste – Quem é a ring girl mais gata?



Sou amante e estudioso de esportes! Nasci em São Paulo, estudei em Los Angeles, NY e fiz pós-graduação em Barcelona, sempre acompanhando de perto as competições esportivas pelo mundo.